Oficina Brasil


A construção de veículos tecnológicos aproxima os maiores fabricantes e soma conhecimentos

Como poderíamos imaginar, fabricantes como a Daimler e a BMW se juntam para desenvolver tecnologias para as atuais e próximas gerações de veículos, que oferecem todo conforto e segurança da condução automatizada

Compartilhe
Por Antonio Gaspar de Oliveira


Avaliação da Matéria

Faça a sua avaliação

5

A atual revolução tecnológica no automóvel é a direção autônoma e os fabricantes estão investindo muito para garantir seu espaço neste mercado competitivo. A revolução também acontece na forma de desenvolvimento, que antes era individual e extremamente sigilosa, agora temos o compartilhamento de informações entre empresas que são gigantes no mercado mundial. 

O que motiva as empresas se unirem? Temos algumas justificativas: -  Mobilidade sustentável - A mudança da forma de utilização do veículo, principalmente em ambientes urbanos, abre caminho para um público que vai utilizar veículos autônomos e eletrificados, contribuindo com a redução das emissões. 

Cidades inteligentes combinadas com a mobilidade  - É preciso fabricar carros que acompanhem as necessidades das pessoas e das cidades que pode ser traduzida na mobilidade inteligente, algumas montadoras estão saindo na frente com esta inteligência também aplicada na união para potencializar os avanços. Antes era preciso dominar a construção física do veículo, uso de materiais mais leves e resistentes, agora é preciso desenvolver a inteligência artificial que interage com o motorista e no nível mais elevado, o carro toma todas as decisões para uma condução segura e confortável.  

Investimentos 

Indústrias de automóveis como a BMW e a Daimler já investiam muito em desenvolvimento, mas para esta nova fase, estes investimentos atingem cifras de 1 bilhão de euros e a justificativa é para garantir a participação no mercado do futuro dos carros movidos e controlados eletronicamente. 
  
Crescimento  

Fabricantes de componentes dos carros continuarão trabalhando e fornecendo peças para montar um veículo, temos agora espaço para novos componentes que não precisam de um caminhão ou trem para transportar, basta uma conexão via internet e o novo componente inteligente será instalado no veículo inteligente. 
A ação conjunta das fábricas de automóveis abre oportunidades de criação de novas empresas com propósito de desenvolver e fornecer inteligência como componente do carro. Cerca de 14 empresas fazem parte da união da BMW e Daimler com tendência de aumento do número de empresas fornecedoras de inteligência veicular. 

Antes era competição, agora é união 

BMW e Daimler disputam um mercado de carros de luxo e para isso procuram construir os melhores carros, isso tem um custo elevado, mas com uma união inteligente e desenvolvimento compartilhado, os carros estarão mais competitivos e com preços que o mercado vai aceitar.
 
Ciclos de inovações mais curtos 

O tempo de desenvolvimento de um carro sempre foi longo e também seu tempo de vida no mercado era bem explorado, até que um novo modelo ocuparia o seu espaço. Pensar em um celular e comparar com um carro, aparentemente não tem sentido, mas tem uma sintonia que literalmente conecta as pessoas. Assim como os modelos de celulares mudam rapidamente, os carros seguem a mesma tendência e sempre oferecendo avanços e vantagens em relação ao modelo anterior. 
As tecnologias para sistemas de assistência ao motorista e condução altamente automatizada em rodovias seguem normas SAE, que já estão no nível 3 e até nível 4, vislumbrando um mercado que já está sendo explorado. 
Com foco em sistemas de assistência ao motorista, condução automatizada em rodovias e sistemas de auxílio para estacionamento, a Daimler e a BMW se unem para desenvolver conjuntamente essa tecnologia, que é fundamental para a mobilidade futura.

  
A cooperação planejada oferece uma série de vantagens:  
- Novas tecnologias serão mais rápidas para o mercado, com ciclos de inovação mais curtos.  
- Para ambas as empresas, a segurança dos ocupantes de veículos e outros usuários da via é da maior importância e uma das principais razões para tornar a confiabilidade dos sistemas um critério fundamental para a colaboração.  
- Além disso, os dois parceiros planejam discutir a possibilidade de estender sua colaboração para cobrir níveis mais altos de automação, tanto em rodovias quanto em áreas urbanas.  
- O desenvolvimento de tecnologias de geração atual e as colaborações contínuas das duas empresas não serão afetadas e continuarão como antes. O desenvolvimento contínuo de tecnologias de última geração e as colaborações existentes permanecerão inalterados pela cooperação projetada e seguirão em frente conforme foi planejado. 


  Direção autônoma na Daimler  

A Daimler tem trabalhado em projetos de desenvolvimento de série não apenas para veículos específicos de nível 3, mas também para os níveis 4 e 5. Há muito tempo líder em sistemas de segurança ativos, ela programou seus sistemas internamente desde o início.  
Neste ano, 2019, inicia seu primeiro programa piloto com a Bosch em veículos autônomos níveis 4 e 5 em ambientes urbanos. O objetivo é produzir veículos altamente automatizados níveis 3, mas também veículos totalmente automatizados níveis 4 e 5, que serão aplicados em carros de passeio, vans, até ônibus e caminhões. 
  
Direção autônoma no BMW  

A BMW tem trabalhado em direção altamente automatizada desde 2006 e estabeleceu uma plataforma não exclusiva com especialistas em tecnologia, fornecedores e montadoras. Desde 2017 o trabalho nesta área foi consolidado e as tecnologias estão avançando com o apoio dos parceiros para ter uma plataforma e também definir novos padrões da indústria.  
Em todo o mundo temos centenas de veículos de teste que estão experimentando tecnologia de ponta. Eles coletam dados para melhorar o aprendizado de máquina com inteligência artificial por meio de simulações e testam novas funções de nível 2 a 5 em rodovias.  
  
Porque surgiu a cooperação na condução automatizada  - A resposta é simples: como a direção automatizada é uma tecnologia voltada para o futuro que transformará radicalmente a indústria automotiva e porque, a longo prazo, a BMW e a Daimler serão não apenas mais fortes, mas também mais bem-sucedidas como parceiras do que poderiam ser trabalhando isoladamente. 
A visão da direção autônoma não é tão antiga quanto o próprio automóvel, é também um componente central da estratégia na Daimler. Além disso, a Mercedes-Benz sempre esteve entre os pioneiros na área de segurança ativa, condução de sistemas de assistência e direção automatizada. 
Com o assistente de distância ativo Distronic,  o assistente ativo de mudança de faixa ajuda o motorista na manutenção da distância do veículo à frente. Isso minimiza os riscos de curtas distâncias entre veículos, paradas abruptas no trânsito ou simplesmente de breves fases de desatenção. Particularmente em viagens longas e ao seguir veículos em tráfego congestionado, o assistente oferece uma primeira ideia de como é uma direção semiautônoma. 


Por mais progressiva que seja a função do Distronic, é simples de explicar: o sistema freia quando necessário e acelera novamente para uma velocidade desejada pré-definida assim que for possível. O assistente de direção também ajuda o motorista a se manter na pista, com a ajuda de uma câmera estéreo, o sistema utiliza marcações claramente visíveis na estrada ou utiliza o veículo em frente como ponto de referência. Em estradas retas e mesmo em curvas rápidas, ele pode ajudar a manter o veículo no centro da faixa. 
Por meio dos sistemas atualmente disponíveis, um Mercedes-Benz pode, por exemplo, manter a distância correta para os veículos à frente e dirigir parcialmente automatizado em rodovias e estradas rurais, bem como nas cidades. Os sistemas também auxiliam o motorista com mudanças de pista, manobras evasivas e frenagem. 
Em muitos modelos, podem ser acionados dentro e fora do carro para estacionamento através do controle remoto de um celular, com o assistente de estacionamento remoto. 
Na Mercedes-Benz, esses recursos recebem a denominação de Intelligent Drive, que atinge o nível SAE 2 ou automação parcial. Isso significa que o carro já pode reagir automaticamente em muitas situações pré-definidas, no entanto, um motorista humano deve sempre monitorar o tráfego, bem como os arredores do veículo e estar pronto para reagir, se necessário. 

Do nível 3 até o nível mais elevado 

Progredir com mais sucesso e eficiência fazendo alianças como a BMW e Daimler com desenvolvimento de vários estágios de automação até o Nível 4  significa alta automação, o motorista nem precisa estar pronto para assumir o controle do veículo, poderia até estar dormindo.  
Mesmo utilizando uma plataforma compartilhada em vez de soluções isoladas, essas montadoras deixam bem claro que são concorrentes e continuarão sendo concorrentes.

 

Comentários