Oficina Brasil


Motor diesel OM 651 da Van Sprinter - falta de cuidados na manutenção reduz o tempo de uso

Independente do fabricante do motor é preciso cumprir o que está no plano de manutenção dos veículos, quando isso não acontece, o estrago pode ser grande e até chegar a perder o motor por falha na manutenção

Compartilhe
Por Antonio Gaspar de Oliveira


Avaliação da Matéria

Faça a sua avaliação

5

Uma oficina mecânica é mantida pelos clientes que trazem veículos que estão precisando de manutenção, mas, se existe algo que não agrada o dono da oficina e o dono do veículo, é ver um motor que foi mal tratado que parou de funcionar por falta cuidado e manutenção. Isso se torna evidente quando o cabeçote é removido e tem um pistão destruído, além de outros componentes.

Com 260 mil quilômetros rodados, o cliente comentou sobre um barulho no motor e após um diagnóstico realizado pelos mecânicos especializados em motor diesel, ficou constatado que era preciso verificar e até trocar o kit da corrente de sincronismo e os acessórios como os trilhos deslizantes e o tensor hidráulico.
A resposta do proprietário da Van Sprinter foi que não iria fazer o serviço e que no máximo poderia apenas trocar o tensionador hidráulico.

Depois de alguns meses a Sprinter retornou de guincho, pois o motor parou de funcionar. Agora vamos começar a entender o que realmente aconteceu.

O motor OM651 tem algumas particularidades que é bom que todos conheçam, iniciando pela posição em que o motor é instalado, que dificulta o acesso devido ao espaço reduzido.

Para a manutenção no motor é recomendável que sejam removidos com todos os acessórios e chicote da injeção eletrônica.

Motor diesel OM 651 da Van Sprinter

Com ele na bancada fica mais fácil remover todos os periféricos e deixar o bloco e cabeçote livres para a manutenção.

Observem que este motor tem o sincronismo dos comandos de válvulas na parte traseira, onde ficam a corrente e o tensionador hidráulico. 
Um detalhe muito importante quando estiver desmontando as engrenagens da corrente que estão parafusadas nos comandos de admissão e escape é que a rosca é esquerda. 

 

Na parte frontal do motor está montado um conjunto de engrenagens sincronizadas que movimentam a bomba de alta pressão, eixos de balanceamento, bomba de óleo e de vácuo.
Ao desmontar, é recomendável utilizar um pedaço de arame para prender a corrente do comando e assim, evitar que ela venha cair e ficar presa na engrenagem do virabrequim. 

Como o motor não virava, estava travado, havia uma suspeita de que algo mais grave tinha acontecido e foi preciso remover o cabeçote para saber o que estava impedindo o motor de girar livre.
Durante a remoção dos parafusos do cabeçote, vale lembrar que existem dois do lado de fora, na frente das engrenagens dos comandos de válvulas. 

Com a remoção de todos os parafusos, o cabeçote foi retirado e o problema do motor foi revelado. 
Pistão destruído, cilindro riscado, válvulas quebradas e a causa de todo este estrago foi a corrente do sincronismo que estava com muita folga e saiu do ponto, porque deve ter pulado dentes e destruiu o motor.
A manutenção mencionada no inicio da matéria trata disso, quando não é feita como se deve, infelizmente termina desta maneira, perdendo o motor.

Motor diesel OM 651 da Van Sprinter

Motor diesel OM 651 da Van Sprinter

Motor diesel OM 651 da Van Sprinter

Este motor funciona muito bem, mas parece que os proprietários não estão dando a devida atenção mesmo nas manutenções básicas como a troca de filtros e do óleo do motor.
Somado a essa falta de cuidado, o uso de diesel de má qualidade, vai abreviar o tempo de uso. Isso é percebido no estado que ficou o coletor da admissão e também as entradas no cabeçote.

A tecnologia BlueEFFICIENCY utiliza o sistema de recirculação dos gases de escape (EGR) que otimiza o funcionamento do motor, que contribui na redução do consumo de combustível e emissão de gases poluentes, atendendo aos padrões do PROCONVE P-7 (Euro 5).   O modelo da Van Sprinter 2014 é Street 311 CDI, que tem uma identificação na parte de baixo da porta: BlueEFFICIENCY.

Motor diesel OM 651 da Van Sprinter

A injeção de combustível common rail atinge a pressão de 1.800 bar, utiliza injetores com um bico de injeção de sete orifícios.

Como estratégia do sistema de injeção eletrônica diesel, é possível até cinco injeções por ciclo de combustão. Com máximo de duas pré-injeções é seguida pela injeção principal mais uma fase pós-injeção, se necessário. Os benefícios incluem um aumento suave da pressão e, portanto, um funcionamento silencioso e suave da Van Sprinter da Mercedes.
 

O cabeçote é feito de alumínio de alta resistência, a tampa do cabeçote é feita de plástico com ventilação integrada e possui os seguintes recursos:
• Pressão máxima de ignição de 200 bar; 
• Portas de entrada tangencial e espiral;
• Diâmetro para injetor piezo de 19 mm.
O duto superior da jaqueta de água de duas peças fornece melhor refrigeração.
As vantagens da jaqueta de água de duas peças incluem:
• Maior rigidez estrutural;
• Melhor dissipação de calor;
• Gerenciamento térmico aprimorado.
O sistema de gerenciamento térmico aprimorado é particularmente benéfico nas áreas expostas a temperaturas muito altas. A alta pressão de ignição de
200 bar é possível apenas com o resfriamento direcionado aos componentes individuais. 
O aumento da pressão de trabalho e a quantidade otimizada de injeção são responsáveis pelo alto torque do motor, que atinge 500 Nm. (Fig.14)  

Os comandos de válvulas controlam duas válvulas de admissão e duas de escape por cilindro. Este sistema de acionamento da válvula usa balancins roletados de baixo atrito, com compensação de folga da válvula utilizando tuchos hidráulicos.

Roda do sensor


A roda do sensor está fixada no comando de válvulas de escape. O sensor Hall, combinado com a roda do sensor, permite determinar a posição do comando de válvulas e o número de rotações por minuto. 
O sensor Hall gera um campo magnético através de um ímã permanente embutido, o campo magnético é periodicamente interrompido por uma placa de orifício na roda do sensor fixada no comando, enquanto o motor estiver em funcionamento. O sinal gerado é usado pela unidade de controle CDI e serve como um sinal substituto para o motor em situações de emergência se o sensor de posição do virabrequim falhar.

Na parte da frente do bloco do motor temos um conjunto de engrenagens que acionam componentes vitais para o perfeito funcionamento e sem vibrações.

Os seguintes componentes são acionados pela nova engrenagem:
• eixos de balanceamento;
• bomba de óleo;
• bomba de alta pressão;
• Bomba de vácuo através do eixo de acionamento central contínuo da bomba de óleo. 

Como este caso envolveu um componente importante para o funcionamento do sincronismo do motor que é o tensionador hidráulico, ao realizar uma pesquisa sobre problemas neste modelo de Van foi localizado um boletim informando que houve um recall justamente neste componente.
O tensionador hidráulico apresentava vazamento e por isso a Mercedes Benz recomendou a substituição imediata.

Motor diesel OM 651 da Van Sprinter

Comentários