Oficina Brasil


Magneti Marelli apresenta algumas dicas sobre amortecedores

Fabricante dos amortecedores COFAP desvenda alguns mitos e verdades sobre a autopeça

Compartilhe
Por Da redação


Avaliação da Matéria

Faça a sua avaliação

A Marelli divulgou alguns dos principais mitos e verdades sobre amortecedores. Confira:

Amortecedores aceitam recondicionamento.

MITO. Amortecedores não devem ser recondicionados. A grande maioria das peças vendidas como recondicionadas na verdade são amortecedores usados e já descartados que receberam apenas uma pintura nova ou que tiveram apenas o óleo substituído por um fluido fora dos parâmetros exigidos para o seu correto funcionamento.

Amortecedores recondicionadas têm a mesma eficiência que os novos.

MITO. Como os componentes internos estão desgastados, os amortecedores recondicionados estão sujeitos a apresentar grande perda de eficiência e, consequentemente, causar sérios problemas como perda de dirigibilidade e de estabilidade (principalmente nas curvas), aumento na distância da frenagem, desgaste prematuro dos pneus e desgaste dos demais componentes do sistema de suspensão, como coxins e buchas. Há, ainda, o risco de travamento dos amortecedores, afetando perigosamente o controle do veículo.

Amortecedor precisa ter selo do INMETRO.

VERDADE. Todos os amortecedores comercializados no Brasil devem possuir o certificado do INMETRO, que garante a qualidade da peça para o mercado reparador. Isso acontece justamente pelo fato de o amortecedor ser um dos itens de segurança mais importantes do veículo.

Amortecedor em mau estado pode provocar aquaplanagem.

VERDADE. O desgaste dos componentes internos dos amortecedores leva à perda de eficiência e pode causar a redução do contato entre os pneus e o solo. Nos dias chuvosos, isso pode agravar a ocorrência de aquaplanagem, que ocorre quando os pneus perdem o contato com o solo devido à lâmina de água sobre o asfalto. 

A substituição deve ser feita sempre em pares.

VERDADE. A recomendação é que a substituição de amortecedores seja feita sempre aos pares, para cada eixo. Isso porque, se um amortecedor novo trabalhar em conjunto com outro usado (mesmo que ainda esteja em condições de uso) num mesmo eixo, poderá haver um desequilíbrio, prejudicando a dirigibilidade.

Comentários