Oficina Brasil


R3 é a moto esportiva da Série R projetada pela Yamaha para uso diário inspirada na YZF – R1

Lançada em setembro de 2016 esta superbike vem equipada com um motor de dois cilindros de 321 centímetros cúbicos em linha que gera 42 cavalos e empurra esta moto com muita esportividade e emoção

Por Da Redação

Moto sempre desperta uma ligação emocional com quem pilota mas o seu uso tem sofrido alterações ampliando sua aplicação no trabalho, no deslocamento de casa para o trabalho, para a faculdade e o para o lazer durante os finais de semana e feriados.

Com o crescimento deste mercado de motos, os fabricantes como a Yamaha procuram atender a cada necessidade dos usuários deste tipo de veículo visando sempre a segurança, economia e desempenho.

Falando em desempenho a R3 é uma moto com apelo esportivo, porém o seu uso pode ser diário com conforto e segurança.

Além do chassi mais leve e carenagem esportiva, temos um motor que completa o pacote esportivo da R3. Começando pelos dois pistões forjados de 68 milímetros com acabamento eletroestático de ferro que o torna mais leve e com isso provoca menos vibrações durante o funcionamento do motor. (Fig. 1)

Outra inovação está nos anéis do pistão que são de baixa tensão, que reduz o desgaste das paredes dos cilindros prolongando o seu tempo de uso. (Fig. 2)

As bielas foram deslocadas 7 milímetros, tornando o funcionamento do motor com mais suavidade, desempenho e para os mais atentos, o ronco do motor também ficou diferente.

Observando a imagem é possível perceber o deslocamento na haste da biela.

Linha de centro do cilindro – cor azul

Linha de centro do virabrequim – cor vermelha (Fig. 3)

 

O virabrequim foi projetado para melhor utilização da massa inercial que contribui para o desempenho de aceleração mais forte em todas as faixas de rotações. (Fig. 4)

Um dos pontos fortes deste motor é o bom equilíbrio entre a sua atuação em intervalos de baixa velocidade e desempenho em alta velocidade.

Com o virabrequim a 180 graus, um pistão sobe enquanto o outro desce, oferecendo maior desempenho nas altas rotações, que é uma configuração ideal para melhor utilização da massa inercial, proporcionando uma sensação de um rendimento superior quando se está acelerando.

Isso produz uma curva de rotação secundária, que é uma característica de um motor com virabrequim a 180º dois cilindros em linha, bem como um ótimo equilíbrio de aceleração e potência mais expressivas.

Essa concepção também reduz o peso do virabrequim, enquanto a massa inercial é dependente do magneto AC, contribuindo também para a redução do peso geral da motocicleta.

O cilindro possui a tecnologia Yamaha "DiASil" (Die-cast Aluminum-Silicon) para garantir uma excelente dissipação de calor. Além disso, esse cilindro também reduz o consumo de óleo lubrificante, mantém uma forma perfeitamente cilíndrica, que reduz a perda de potência devido à utilização de anéis de pistão de baixa tensão. (Fig. 5)

A exclusiva tecnologia de fundição da Yamaha permitiu o desenvolvimento de um novo processo denominado DiASil. Esta tecnologia permite a fundição de liga de alumínio com 20% de silício, o que antes era considerado muito difícil com a tecnologia de fundição convencional.

O Cilindro DiASil tem as vantagens de proporcionar uma superfície com uma microestrutura altamente resistente ao atrito, excelentes qualidades de dissipação de calor e peso mais reduzido. É uma tecnologia comprovada, usada em muitas scooters e modelos urbanos atuais da Yamaha. Essa é a primeira vez que é adotada em um motor de 2 cilindros.

Um detalhe que chama muito a atenção neste cilindro com uma fundição inovadora de materiais é a ausência do brunimento, que são microrranhuras em ângulos específicos, sempre presente no acabamento interno com a função de auxiliar na formação do filme de óleo.

A eliminação do brunimento foi possível devido à porosidade dos materiais que mantém uma fina camada óleo que protege a parede interna do cilindro.

Sistema de refrigeração com menos tubulações

O sistema de arrefecimento foi projetado para ser simples, com mínima tubulação no seu layout. A quantidade de tubulação é reduzida devido à construção da bomba de água na tampa do cárter, otimizando a posição do termostato e outras medidas. Isso também colabora na diminuição do peso da motocicleta. (Fig. 6)

Preocupada com a legislação ambiental, o motor atende às normas do Promot 4 e todos os gases gerados no tanque de combustível são direcionados através de mangueiras para o canister. (Fig. 7)

Após a passagem por este filtro de carvão ativado, os gases são direcionados para o corpo de borboleta, onde são aspirados e queimados durante a combustão.

Na mesma linha de conduta ambiental, o escapamento 2 em 1 compacto, posicionado na área inferior e mais perto do centro do chassis, contribui para a centralização de massa. Além disso, o seu formato, inspirado na YZF-R6, concede uma imagem esportiva, ao mesmo tempo, a concepção de tripla câmara de expansão reduz eficazmente o ruído gerando um som agradável.

Foi adotado um catalisador de 3 vias construído na parte interna do escapamento, onde também há um sensor de O2 que detecta o oxigênio remanescente dos gases de escape e envia a informação para a ECU de 16 bits, que por sua vez fornece o volume de injeção de combustível ideal para o motor, consequentemente resultando no funcionamento do catalisador para efetivamente eliminar os gases nocivos pelo escapamento. (Fig. 8)

Polias do acelerador com formato progressivo

As polias da válvula do acelerador e do punho do acelerador possuem formato progressivo. Combinadas com o controle de mapeamento do sistema de injeção, estas polias ajudam a dar uma resposta ideal mesmo se a ação da aceleração do condutor for um pouco bruta na faixa de baixa velocidade, contribuindo assim para a facilidade de condução em áreas urbanas, além de características de facilidade de controle para pilotos iniciantes. É um recurso que também ajuda na resposta em intervalos de médias e altas velocidades. (Fig. 9)

Quadro tipo diamante leve com excelente equilíbrio de rigidez

Novo quadro tipo diamante de aço, desenvolvido com a mais recente tecnologia de análise estrutural, é leve e com excelente equilíbrio de rigidez.

Os tubos principais são fabricados em aço de 35mm de diâmetro, e fazem parte de um projeto simplificado, com o mínimo de cravamento, dobra e solda. O motor é montado ao quadro em três pontos rígidos e um com borracha.

Ao usar montagens rígidas, o motor torna-se um elemento estrutural do chassi, o que também contribui para a redução de peso. (Fig. 10)

A área do assento é posicionada em uma altura baixa e é estreita para facilitar ainda mais o alcance dos pés no chão. (Fig. 11)

Dimensões que contribuem à distribuição de peso frontal e traseira e outros fatores que influenciam a pilotagem

As dimensões da motocicleta foram definidas para atingir facilmente uma dirigibilidade natural, que permita os pilotos poderem seguir as linhas que desejarem durante as curvas.

A distância entre-eixos é curta, com 1.380mm e o cáster tem ângulo de 25,5°. As rodas dianteira e traseira de 17 polegadas, a distribuição de peso de quase 50:50 frente-traseira e outros fatores também contribuem para uma excelente performance na pista.

Além disso, a distância mínima do solo foi definida com altura suficiente, considerando as diferentes condições de piso em diversos países. (Fig. 12)

Suspensão dianteira com tubos internos de 41mm de diâmetro que dá impressão de força dos componentes

A suspensão dianteira da fabricante KYB consiste em um garfo com tubos internos de 41mm de diâmetro, o mais largo da categoria. Fixada na mesa em alumínio, com suporte do guidão também em alumínio, a suspensão dianteira possui 130mm de curso e uma sensação de rigidez tornando ainda mais fácil para os pilotos seguirem as linhas que eles desejam durante as curvas. (Fig. 13)

Suspensão Monocross para uma pilotagem esportiva e confortável

A suspensão traseira é do tipo Monocross, a qual permite um maior curso de roda do que o curso do amortecedor. É leve e contribui para uma melhor centralização de massa, além de permitir mais liberdade no design e layout do sistema de escape.

Fabricado pela KYB, o amortecedor está localizado na posição ideal de alavanca. Ao longo de sua extensão de 125mm de curso da roda, o amortecedor traseiro fornece um bom equilíbrio desde o curso inicial do seu amortecimento até atingir o limite do curso de compressão.

O amplo intervalo de curso da roda traseira combina com os efeitos do layout otimizado do eixo de transmissão, eixo traseiro e o eixo de articulação, para dar ao piloto uma sensação clara e agradável na mudança de peso da motocicleta durante a aceleração e desaceleração, um dos pontos positivos na pilotagem desse modelo. (Fig. 14)

Outras características do Chassis

• Faróis duplos com expressão distinta, afiada e que expressa uma nova geração;

Farol Baixo=uma lâmpada acesa;

Farol Alto =duas lâmpadas acesas; (Fig. 15)

• Posição de condução definida para uma pilotagem esportiva, porém com menos fadiga ao piloto;

• Altura do assento: 780 milímetros;

• 34° de raio de giro para facilitar a pilotagem em cidade e manobras de curva;

• Guidão esportivo dividido em 2 partes; (semiguidão)

• Assento bipartido;

• Suporte para capacete;

• Tanque de combustível de 14 L;

• Eixos de roda aliviados para redução de peso. (frente / traseira)

Comentários