Oficina Brasil


Oficina Modelo promove ações para mostrar o reaproveitamento de peças

Com nova Lei do Desmanche em vigor desde junho do ano passado, palestras ajudaram reparadores a entender melhor como agir quando forem utilizar peças de reuso

Compartilhe
Por Da Redação


Avaliação da Matéria

As palestras estavam sempre lotadase a organização procurou sempre trabalhar com temas atuaisCom a nova Lei do Desmanche em vigor no Estado de São Paulo desde junho de 2014, a atividade de desmontagem de carros foi regulamentada. Isso transmite maior segurança para o cliente que quer comprar peças de reuso. E esse foi o principal foco da Oficina Modelo na Automec 2015.

Pela Lei número 15.276 de 2 de janeiro de 2014, proposta pelo Governador Geraldo Alckmin (PSDB) e aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, apenas estabelecimentos cadastrados previamente no Detran podem comercializar as peças usadas.

O objetivo da lei é interromper a cadeia de roubo e furto de veículos, cujas peças são vendidas em desmanches. O credenciamento das empresas é anual e pode ser renovado a cada ano, desde que o estabelecimento continue cumprindo as exigências. Entre elas possuir piso impermeável nas áreas de descontaminação e desmontagem do veículo, no estoque e as peças precisam conter mecanismos que permitam rastrear sua origem. “Nos Estados Unidos 95% dos carros que saem de circulação são reciclados, aqui no Brasil esse percentual é de apenas 1,5%. Por isto, nesta edição da Oficina Modelo, apresentamos o conceito de desmontagem sustentável que recicla até 95% das peças e componentes do veículo, contribuindo com a natureza o descarte inadequado destas peças e resíduos que muitas vezes são deixadas em desmanches e aterros”, explicou João Paulo Picolo, diretor da Automec.

A punição para as empresas que não respeitarem a lei é a cassação da inscrição da empresa no cadastro do contribuinte do ICMS, interdição e lacração do estabelecimento comercial e multa de mais de R$ 30 mil.

No estande havia dois modelos: um batido e outro que receberia as peças de reusoOs visitantes viram como funciona o reaproveitamento de peças automotivas e entenderam como é todo o processo para aplicar uma peça de reuso em um automóvel que esteja precisando. Picolo definiu o que é a Oficina Modelo: “um ambiente diferenciado e atrativo para compartilhar as principais novidades e tendências do mercado para os profissionais do setor é muito importante, sejam elas na teoria ou na prática. O intuito é apresentar um ambiente inovador e interativo para que o visitante tivesse a oportunidade de experimentar o que tem de mais moderno no mercado de reparação e também possa sair certificado através das palestras que acontecem no mesmo ambiente.” No local foi simulada uma oficina com seu real funcionamento, com dois carros que serviam para apresentar o trabalho de montagem e desmontagem de peças.

“Havia um carro colidido, do qual foram retiradas as peças usadas em bom estado e outro carro que recebeu as peças de reuso, com um técnico da Renova fazendo esta demonstração”, explica Bruno Garfinkel, diretor da Renova Ecopeças. A empresa citada pertence ao Grupo Porto Seguro e é uma das pioneiras na reciclagem automotiva, com modelo sustentável e com controle rígido de rastreabilidade das peças.

“O tema reciclagem é cada vez mais debatido e precisamos diminuir os impactos ambientais, temos que ser agentes pró-ativos. A Lei do Desmanche de São Paulo trouxe significativas mudanças para o destino e reaproveitamento de resíduos, e fundamental para a regulamentação da lei federal sobre o tema. Estamos muito satisfeitos com os resultados até agora”, avaliou Francisco de La Tôrre, presidente do Sincopeças.

“Acho mais importante abrir esse espaço dentro da Automec para que os visitantes entendam todo o processo pelo qual passa uma peça até poder ser utilizada novamente. Foi um espaço bem interessante que mereceu ser visitado. Para completar, foram realizadas palestras relacionadas ao assunto”, confirmou Picolo.

A Oficina Modelo teve apoio da Renova Ecopeças, Sincopeças, Sindirepa, Andap, Sindipeças e do Jornal Oficina Brasil.

 

Comentários