Oficina Brasil


Rede Âncora amplia operação em São Paulo e reforça seu foco no reparador independente

Com mais de 750 lojas associadas, empresa disponibiliza estoque de mais de 150 mil peças em 15 estados para fidelizar o profissional da reparação

Compartilhe
Por Vinícius Montoia


Avaliação da Matéria

Faça a sua avaliação

Com o surgimento em 21 de maio de 1988, a Rede Âncora tinha o objetivo de atingir um volume considerável de compras para que permitisse diminuir custos do varejo e criar a sua própria rede de distribuição. A maioria dos pedidos são atendidos a pronta entrega por um dos centros de distribuição regional. Nós conversamos com Ogeny Pedro Maia Neto, presidente-executivo do grupo, que nos contou as vantagens que o reparador terá ao se associar a uma das lojas da rede. Confira em entrevista exclusiva realizada durante inauguração da nova sede em São Paulo.

Novo Centro de Distribuição em São Paulo

Jornal Oficina Brasil: Quando você começou a trabalhar na empresa?

Ogeny Pedro Maia Neto: Iniciei na Rede Âncora em 2006. Eu tinha uma loja com produtos de linha pesada que oferecia serviços, portanto fazia parte do mercado de reparação também. Aí eu fui buscar uma alternativa de sobrevivência. A Rede Âncora apareceu lá no Paraná e eu fui a uma reunião do grupo. Nesse momento eu me engajei no projeto, fiz o aporte de capital e decidi fundar o Centro de Distribuição (CD) do estado. Nós éramos 25 empresários e fundamos a Rede Âncora do Paraná.

A partir do momento em que nós, do Paraná, assumimos a presidência da Rede Âncora Nacional, nós garantimos que a Rede Âncora de São Paulo teria um lugar de destaque dentro da empresa. E, por isso, tivemos a inauguração da nova sede de CD de São Paulo.

JOB: Quantos funcionários a Rede Âncora tem?

OPMN: No escritório nacional nós temos 35 funcionários e nos 15 Centros de Distribuição são mais 400 colaboradores. Se formos somar todas as 750 lojas da rede, com certeza passamos de oito mil funcionários.

JOB: em quais estados a Rede Âncora está presente?

OPMN: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Pará, além do Distrito Federal.

Funcionários comemoram nova unidade

JOB: Quantas indústrias são parceiras da Rede Âncora?

OPMN: São aproximadamente 100 indústrias em um sistema único nacional, ou seja, todas as fábricas atendem todos os CDs. Todas as informações de peças, produtos e preços saem do escritório nacional para os Centros de Distribuição. Tudo é padronizado dentro da Rede Âncora.

JOB: Quantos produtos são oferecidos para o reparador independente?

OPMN: São 150 mil produtos catalogados. Mas, evidentemente, nós dependemos dos lojistas, pois são eles que determinam a variedade de peças que eles querem. Por termos uma grande rede espalhada por todo o país, a curva de compras da Rede Âncora apresenta uma característica diferente daquela dos distribuidores tradicionais, pois nós consumimos produtos do nível A ao G. A nossa curva é muito diversificada.

JOB: O centro de distribuição de São Paulo e sua nova sede: de onde surgiu a ideia?

OPMN: Nós estávamos em um lugar no qual o espaço não comportava mais e tivemos algumas modificações de áreas no estado de São Paulo que comprometiam a descarga e carga de produtos. A ideia foi trazer o local de distribuição para um lugar com melhor acesso a rodovias e otimizar a logística.

JOB: Quanto vocês esperam que São Paulo fature por ano? É possível falar em alguma meta após o investimento neste novo endereço?

OPMN: Nós vamos voltar todos os nossos esforços para cá. Cerca de 30% do faturamento nacional tem de sair daqui.

Cerimônia de inauguração do novo “CD”

JOB: Em relação aos demais estados nos quais a Rede Âncora ainda não está presente, há plano de expansão?

OPMN: Nós temos um departamento de inteligência que cuida do mapeamento das cidades e decide para onde iremos. Há, sim, um plano de expansão.

JOB: Nos estados em que vocês atuam, qual a proporção de lojas com produtos para a linha leve e para a linha pesada?

OPMN: A proporção é de aproximadamente 30% para a pesada e 70% para a leve.

JOB: para os próximos estados, essa proporção deve continuar?

OPMN: Isso não é uma regra. A Rede Âncora começou com linha leve e a pesada só entrou em vigor no final de 2009, quando eu ainda estava no cargo de diretor da linha pesada.

JOB: E como deve proceder o lojista que queira fazer parte da rede?

OPMN: Nós temos no nosso site um local para cadastro de dados. Depois disso, o nosso departamento responsável entra em contato com o lojista e o encaminha para o Centro de Distribuição mais próximo. Aí ele tem de respeitar o padrão Rede Âncora e já pode atuar como um lojista associado.

(da esquerda para a direita) Álvaro Pereira (um dos fundadores da Rede); Sandro Vivian (Diretor de Marketing e Marca Própria); Ogeny Pedro Maia Neto (Presidente Executivo); Orni Barbosa (Presidente do Conselho Administrativo); Walderi Souto (Gestor do CD) e Osni Jorge Pinheiro (Presidente do CD).

JOB: Quais são os outros benefícios que os reparadores podem encontrar ao se juntar à rede, além de preços e condições diferenciadas?

OPMN: Eles terão todo o estoque das lojas disponível, um plano de revisões no nosso portal, entrega de peças em até 24 horas e muito mais.

JOB: O que é o plano de revisões?

OPMN: É um sistema no qual o reparador pode colocar o modelo do carro, a quilometragem atual e a partir daí ele obterá uma lista com todos os serviços a serem efetuados, as peças a serem substituídas e até mesmo o valor do orçamento. Ele gera um custo para o cliente final e já ganha em produtividade no seu trabalho.

Nós temos um catálogo eletrônico que já é preparado para atender às oficinas mecânicas. Isso é uma diferença muito grande no mercado, pois nós entendemos que esse setor é muito carente de informações e por não tê-las é possível que o profissional aplique as peças de forma errada, gerando um retrabalho. Nós queremos ajudar o reparador a evitar essa dor de cabeça.

JOB: O que as marcas próprias criadas pela Rede Âncora, a Car+ e a Truck+, oferecem para o aplicador?

OPMN: Elas trazem um diferencial competitivo para que ele possa montar uma estrutura que vá agregar valor ao serviço dele. A gente sabe que é pouco para o reparador trabalhar apenas com a sua mão de obra. Portanto, nós damos uma opção para que ele ofereça mais serviços, como troca de palhetas, substituição de fluidos de arrefecimento, freios, etc.

JOB: Quais são os produtos oferecidos por essas marcas próprias?

OPMN: Fluidos de arrefecimento, desengripantes e toda linha de cuidados com o veículo. São mais de 20 produtos que serão lançados até o final do ano.

Orni Barbosa recebe homenagem

JOB: Você acha que esses produtos podem concorrer com os oferecidos pelas fabricantes parceiras da Rede Âncora?

OPMN: Não. Os produtos que nós temos na Rede Âncora são baseados no critério de lançamento de “produto de marca própria” e não vão concorrer com os produtos de nossos fornecedores.

JOB: Vocês têm muitos parceiros importantes. Existe alguma possibilidade de vocês oferecerem cursos técnicos para os profissionais da reparação?

OPMN: Nós oferecemos nas lojas as palestras técnicas e também dentro dos CDs. Essas lojas fazem também café da manhã e happy hour para integrar o reparador independente à loja e ao fabricante. Se tiver quantidade de pessoas suficiente, o instrutor pode dar um treinamento na própria oficina.

Comentários