Oficina Brasil


Proprietário da Auto Mecânica ServCar lidera o Fórum Oficina Brasil

Sergio Marques de Deus foi o reparador com mais interações nos tópicos, provando que é profissional de sucesso e que ainda encontra tempo e motivação para auxiliar seus colegas de profissão.  Para que toda a comunidade automotiva nacional conheça melhor este destacado profissional, fomos entrevistá-lo.  Acompanhe!

Compartilhe
Por Da redação


Avaliação da Matéria

O Fórum Oficina Brasil é uma comunidade que conta com 130 mil reparadores cadastrados que interagem entre si compartilhando conhecimento e informações sobre problemas e falhas enfrentados no dia a dia em suas oficinas. 

No ano de 2018 o reparador mais ativo na comunidade foi Sergio Marques de Deus, com um total de 1.047 mensagens, que ajudaram diversos colegas de profissão das mais diversas oficinas do Brasil inteiro.  

Em uma entrevista exclusiva, Sergio Marques de Deus nos contou sobre sua história na reparação automotiva, suas inspirações, o funcionamento da sua oficina e a importância do Fórum Oficina Brasil para todos os reparadores independentes. Confira abaixo:  

 

Oficina Brasil Mala Direta: Vamos começar pela sua história. Conte para nós desde quando você trabalha com oficina mecânica? De onde partiu essa vontade? Você teve alguém que te inspirou através de alguma tradição familiar ou algo assim? 

Sérgio Marques: Aqui onde moramos (Embu das Artes), meu pai, o senhor Venceslau, foi uma das primeiras pessoas a ter acesso a carro, há 40 anos atrás. Socorríamos o pessoal do bairro, levávamos grávidas ao hospital, etc. Na época, a manutenção era mais complicada, não tinha oficina como hoje. Então, ele mesmo fazia a manutenção nos seus carros, enquanto eu ajudava a pegar as ferramentas. Apesar do meu pai nunca ter tido uma oficina própria, foi a partir daí surgiu o meu primeiro contato com a reparação automotiva.  

OB: Qual foi o ano que você decidiu abrir sua oficina e por quê? 

SM: Há 25 anos. No prédio onde estou hoje, tenho a oficina desde 1998, mas tive também por mais de seis anos na mesma rua uma outra em um prédio menor.  

Meu primeiro emprego foi de técnico em eletrônica, consertando televisão. Não era isso que eu gostava e fui para outra empresa como técnico mecânico. Meu irmão cuidava da frota de uma empresa que consertava os carros de uma oficina, e ele me disse: “Sérgio, você sempre gostou de mexer com carro, essas coisas, o rapaz está precisando de alguém assim, você não quer trabalhar com ele? Eu arrumo pra você lá”. E foi assim que trabalhei por cerca de sete anos. 

OB: Mas você já tinha feito algum curso, ou de curiosidade de mexer nos carros você acabou aprendendo tudo que você sabe hoje por meio desse trabalho? 

SM: No começo eu não fiz curso nenhum. Esse primeiro patrão que eu tive me ensinou muita coisa, o cara tinha um conhecimento forte, sabe? Ele que me ensinou grande parte e, depois que eu saí, comecei fazer alguns cursos. 

OB: Você pode citar alguns cursos que você fez? 

SM: Eu fiz mecatrônica, desenho técnico mecânico, que me ajudou muito em medidas, fiz também mecânica básica e vários módulos de injeção eletrônica.  

OB: E depois que abriu sua oficina, você mesmo toca o trabalho, ou tem alguém com você? 

SM: O chefe da oficina está com a gente há 21 anos, o Sebastião. Ele é um dos primeiros funcionários que a gente teve após a mudança para o prédio novo. Ao todo hoje somos em 11, contando comigo e minha esposa, Dalilian, que cuida do financeiro. 

OB: Há quanto tempo você tem sua oficina cadastrada na Oficina Brasil? 

SM: Há mais de 10 anos. Eu faço parte do GOE há 14 anos, e fui em alguns eventos que o Oficina Brasil estava. Foi onde peguei o contato e fiz o cadastro. 

OB: Você pode nos dizer sobre importância de uma mídia especializada como o Oficina Brasil Mala Direta pra vocês reparadores? 

SM: Eu gosto muito de ver o Oficina Brasil, porque tem várias matérias interessantes.  Algumas dicas, algumas outras matérias bem específicas sobre mecânica e gestão. São coisas bem interessantes principalmente para nós, reparadores, que no geral somos pobres de informação. 

OB: Qual a importância do reparador estar sempre se atualizando?  

SM: Hoje mesmo, eu estava comentando com um cliente de manhã. Ele disse: “Sérgio, você tem que estudar muito?”. Eu respondi: “É só olhar em volta, começando pelo seu carro, veja o grau de tecnologia desses carros! Se não nos aperfeiçoamos, não vamos a lugar nenhum!”. 

 Um veículo tem multimídia integrada, outro tem computador de bordo touchscreen, injeção eletrônica a diesel. Tem que se atualizar periodicamente. Nós estamos iguais aos médicos, vamos encerrar a carreira estudando, senão vamos parar no tempo e ficar quebrando a cabeça. 

OB: Você está sempre no Fórum Oficina Brasil. Poderia falar da importância dessa comunidade? Desde quando você começou a usar, como você conheceu a plataforma, etc.  

SM: Descobri o Fórum em um evento da ZF, quando o acessei pela primeira vez. De lá para cá, sempre o frequento. Achei interessantes algumas perguntas, o pessoal com muita dúvida, coisas muito complicadas e, às vezes, coisas simples. Para você ver como a gente é pobre de informação realmente!  

Eu gosto de ajudar com o conhecimento que eu tenho para passar aos outros. Tem gente que fala que não vai ensinar por que é concorrente. Esquece! Não tem concorrente, hoje temos que ser aliados, parceiros, poder ajudar, e esse fórum está ajudando a quebrar esse pensamento de achar que o vizinho é uma ameaça, um concorrente. Se o cara fizer o serviço dele direito, com toda clareza com o cliente, pode ter dez oficinas do lado dele que vai ter sempre trabalho.  

Eu gosto dessa parte de ajudar. Por meio do fórum, um cara de Belo Horizonte me ligou perguntando sobre um caso que eu já tinha pegado: “Ah! Eu vi seu comentário no fórum, às vezes, fica extenso conversar por lá, então liguei pra saber melhor”. O fórum é uma ferramenta de ajuda e interação para todos reparadores. 

OB: Se você pudesse passar um recado pra algum colega reparador que ainda não tem acesso a essas ferramentas, não participa do fórum ou não recebe o Oficina Brasil Mala Direta na oficina, qual recado você daria? 

SM: Aconselho a pessoa se cadastrar para receber o Oficina Brasil e buscar o máximo de informações possíveis. Está com alguma dificuldade? Acessa o fórum, porque há várias pessoas muito participativas, atrás de informações e também dispostas a ajudar. Entrar no site do Oficina Brasil e receber também a Mala Direta na oficina são atos de suma importância para o reparador que quer estar sempre atualizado.  

Comentários