Oficina Brasil


Magneti Marelli traça o lançamento de 6 novas linhas de produtos no mercado em 2019

Quatro dos lançamentos são pela Cofap, enquanto os outros dois pela Magneti Marelli. A Diretora de Aftermarket, Mônica Cassaro, ainda explica mais sobre as ações da empresa no setor

Por Everton Pires

A Magneti Marelli é uma das mais tradicionais marcas do mercado de reposição automotiva. Neste ano de 2019, a empresa promete novidades para a Automec, a maior feira do setor, e lançar 1.300 códigos de aplicação, impulsionada pela meta batida de 1.000 códigos no ano passado. 

Acompanhe abaixo mais sobre a empresa em entrevista exclusiva com a diretora de Aftermarket, Mônica Cassaro: 

 

Oficina Brasil Mala Direta: Como você começou a trabalhar na empresa? Há quanto tempo? Conte-nos um pouco sobre sua trajetória profissional 

 Mônica Cassaro: Fui contratada para gerenciar a área de propaganda numa época em que o Cofapinho dominava o horário nobre da TV. Depois, a empresa adicionou a promoção de vendas, uma área tradicionalmente forte, mas que demandava uma atualização criativa e de procedimentos. Mais tarde, no bojo do conceito do pós-venda, veio a assistência técnica. E inspirada na vivência de plataforma comercial mundial da empresa também sou responsável pela engenharia de produto no âmbito do aftermarket.   

OB: Conte um pouco sobre os desafios das marcas no mercado de reposição. 

MC: As marcas Magneti Marelli e Cofap são grandes patrimônios do segmento de autopeças por sua qualidade e inovação, fruto de anos de muita pesquisa e desenvolvimento. Assim, nosso principal desafio é não só manter o ritmo de crescimento observado nos últimos anos em cada uma delas, mas também superá-lo, permanecendo como maior empresa do Aftermarket brasileiro.   

 Este panorama nos proporciona também uma excelente oportunidade em termos de ampliação de clientes, o que nos obriga a apostar em estratégias, não só para atingir os novos, mas para fidelizar os atuais. Entram aí as ações de promoção de vendas e os treinamentos, desenvolvidos especificamente para atender a esta demanda.  

 OB: A marca tinha estabelecido a meta de lançar mil códigos de produtos durante 2018. O sucesso foi eminente, ultrapassando o objetivo, digno de muita comemoração. Visto o alcance de 2018, qual a marca a ser batida em 2019 pela Magneti Marelli? Em quais linhas de produtos? Mais importante, como manter o ritmo de produção? 

MC: A expectativa da companhia é lançar cerca de 1.300 códigos e outras seis novas linhas de produtos em 2019, quatro com a marca Cofap e duas Magneti Marelli para atender à demanda dos clientes por produtos com elevados níveis de excelência e qualidade, entregando ao mercado reparador as mesmas características técnicas e de desempenho dos produtos originais para os segmentos de veículos leves, pesados e de duas rodas.  

 OB: A empresa lançou no segundo semestre do ano passado velas de ignição para automóveis e motocicletas. Desde então, quais foram os resultados alcançados com produção e vendas? Quais as principais qualidades das velas de ignição da marca perante aos concorrentes? 

MC: As velas Magneti Marelli chegaram para completar nossa linha de ignição, que já era composta por bobinas e cabos. Elas trazem em seu DNA o know-how de quem é referência mundial em injeção eletrônica e que vem acompanhando a evolução dos motores a combustão há 100 anos. São fabricadas seguindo um rigoroso processo de manufatura, controle de materiais e processos, garantindo assim um melhor desempenho do motor. Outro diferencial é a ampla gama:  são sete tipos de vela de ignição automotiva (Standard, Resistive, V-Form, Multi-E, Platinum, Iridium e Iridium-Platinum) com diferentes tecnologias para atender com excelência às diversas demandas dos motores a combustão utilizados no Brasil, sempre respeitando as características originais de cada aplicação.  

OB: O caminho natural do fornecimento às montadoras é que a empresa ofereça o mesmo portfólio ao mercado de reposição. No caso dos itens que não são “originais”, como são definidas as prioridades de lançamento? 

MC: O mercado de reposição tem passado por forte transformação nos últimos anos. O aumento expressivo da frota circulante de veículos tem impulsionado a demanda, gerando oportunidades. Um exemplo é a diversificação da frota, o que nos obriga a ser cada vez mais inovadores, em termos de produtos. Precisamos acompanhar sempre os lançamentos para ter agilidade no atendimento desses novos veículos, que demandam cada vez mais produtos de alto desempenho e tecnologia. O expressivo crescimento de veículos importados também nos traz uma série de oportunidades, assim como as linhas pesada e motos. Todo esse esforço é feito para mantermos nossa liderança, porque somos a maior empresa do aftermarket brasileiro.  

  OB: No mercado de reposição, o lançamento de novo produtos requer esforços de “push” e de “pull”. Como vocês equilibram essas atividades? 

MC: Não costumamos nos apegar a rótulos, pois acreditamos que isso nos dá mais liberdade em explorar as demandas com um olhar mais clínico, concentrando-se nas particularidades de cada um dos produtos/marcas/mercados. Porém, é preciso reconhecer que não é possível abrir mão de nenhuma das duas estratégias, embora ambas possam ser circunscritas em uma determinada época de predominância. Por exemplos, nossos esforços “Push”. Esse tipo de abordagem dominou a estratégia de marketing entre as décadas de 70/80/90, reflexo de um mercado movido pela propaganda. Foi nessa época, por exemplo, que nasceu o cão basset Cofapinho em uma das mais bem-sucedidas campanhas não só do mercado de autopeças, mas da publicidade brasileira.  Hoje em dia ele ainda é nossa estrela em peças promocionais, propagandas e material de ponto de venda. Ou seja, por mais tradicional que seja, não temos como abrir mão desta estratégia. Especialmente quando falamos em um novo produto, ou serviço, já que existe a necessidade de torná-lo familiar aos olhos do mercado e dos clientes – especialmente em uma época de múltiplas ofertas.  

Já a abordagem “Pull”, que é diretamente ligada à força da marca, é muito utilizada com os produtos das linhas de suspensão, como os Amortecedores Cofap e com injeção eletrônica na Magneti Marelli, que hoje são sinônimos dos produtos que representam.  Isso nos permite atrair e fidelizar clientes, mantendo-os na sua órbita e estimulando a recompra dos produtos, além de conhecer e apostar outros itens da marca.  

OB: Qual a expectativa da empresa em relação à Automec 2019? O que o público encontrará no estande e quais novidades e ações serão tomadas durante a feira? 

MC: Como todos os anos, os visitantes do estande da Magneti Marelli Cofap serão surpreendidos, podem ter certeza! Ainda não podemos adiantar detalhes para não estragar a experiência do público, que também é um dos nossos objetivos, já que, para nós, a Automec é o principal evento do segmento e além de apresentar produtos e serviços, também queremos proporcionar às pessoas um momento agradável de conexão com as marcas e relacionamento. 

Assim, embora nossa presença no evento seja de natureza institucional, já que nosso espaço tem cunho receptivo, esperamos também firmar importantes contatos com nossa rede distribuidora e demais elos da cadeia de comercialização.  Para isso, contaremos com o apoio das equipes comercial, promocional e técnica para atendimento direto do público.  

OB: Como a empresa enxerga o reparador independente? 

MC: O reparador independente passou por uma grande transformação nas últimas décadas e atualmente tem preparação bastante diferente da geração passada: saem a intuição para reparar um problema e entram a precisão e a habilidade manual e técnica como requisito.  Logo, a procura por qualificação é grande, ao mesmo tempo que o público também se tornou mais exigente em relação à qualidade dos serviços, bom atendimento etc.   

Para nós, o reparador independente será sempre um grande aliado, já que é um dos principais formadores de opinião do nosso mercado; temos que conquistá-lo para que não só fale bem das nossas peças, mas recomende as nossas marcas. Para isso, disponibilizamos conteúdo, informação, catálogo de peças, aplicativos e uma infinidade de materiais para facilitar o seu trabalho, além de treinamentos e visitas técnicas.  

 OB: A empresa tem um espaço voltado a treinamentos técnicos voltados ao reparador independente? 

MC: Mantemos uma agenda anual para a capacitação dos diversos profissionais do setor de reposição que coleciona números e conteúdo impressionantes. Em 2018, foram realizados cerca de 5 mil cursos e palestras que capacitaram mais de 70 mil profissionais. A expectativa para este ano é aumentar em mais 10% esses números. Atualmente, existem mais de 100 treinamentos, e todos os produtos que compõem as 56 linhas do portfólio da empresa contam com palestras ou cursos específicos. Os assuntos abordam o funcionamento dos sistemas em que são aplicados, incluindo temas mais solicitados pelo mercado, como os sistemas de suspensão e de injeção eletrônica. Também existem conteúdos sobre inovações tecnológicas, tendências do mercado, técnicas de comercialização, técnicas de aplicação dos produtos, entre outros. Vale lembrar que, geralmente, as capacitações acontecem nos estabelecimentos dos próprios distribuidores, revendedores ou aplicadores, além de escolas, e que não há custo algum para os participantes. A Magneti Marelli Cofap é uma das poucas empresas do Aftermarket cujos técnicos de treinamento são funcionários da empresa. Isso garante uma homogeneidade entre o discurso praticado dentro e fora da empresa. Em algumas regiões, nós também temos parceira com escolas técnicas, como o SENAI, para a capacitação de novos profissionais do segmento. Segundo avaliações feitas ao final de cada curso, o índice de aprovação é de 98%. 

 OB: Como os seus produtos chegam aos reparadores interessados? 

MC: No Brasil, os produtos são distribuídos através da maior e melhor Rede de Distribuidores no mercado de reposição e seguem a tradicional cadeia do segmento, passando pelo Revendedor, Aplicador e chegando, finalmente, ao Consumidor Final por meios físicos ou digitais.  

OB: Qual é a política de fidelização da empresa? Como vocês convencem o reparador a utilizar seus produtos? 

MC: O reparador conhece a qualidade de nossos produtos e vivências bem-sucedidas tendem a ser repetidas. Além disso, ele tem todo o apoio técnico, tanto através do contato pessoal com nossa equipe, como através dos conteúdos veiculados pelas mídias digitais e convencionais. 

Comentários