Oficina Brasil


Conectividade: que Santo Elói nos proteja!

Quem lembra da saudosa festa promovida pelo igualmente saudoso Dr. Geraldo Luiz Santo Mauro, presidente do SINDIREPA São Paulo? Vai dizer que não era divertido? Bons tempos do mercado de reposição...

Por Cassio Hervé

Como faço desde o ano 2000, todo o mês de maio me sacrifico e viajo para  a civilizada, limpa, organizada e cinematográfica Chicago e participo do GAAS – Global Automotive Aftermarket Symposium, que reúne a elite do mercado de reposição para avaliações do presente e ensaiar projeções do futuro desta indústria pelo segmento independente.

Se no ano passado a grande estrela foi a internet (tanto que a agenda do congresso reuniu o “e-Forum”), agora em 2014 o foco  foi a telemetria e conectividade dos veículos leves, com plataformas integradas de smartphones, tablets aplicativos, etc, que colocam a manutenção dos veículos  (e muito além disso) num patamar nunca antes imaginado.

O tema – que foi abordado na edição de junho do ano passado – não é novo,  porém decorridos doze meses o assunto explodiu em oportunidades ao ser “plugado” a um aspecto mais amplo, a “conectividade”, que proporciona um salto quântico às já incríveis soluções oferecidas pela telemetria “clássica”,  que envolve a comunicação das condições técnicas do veiculo, como explicamos no ano passado.

Telemetria e conectividade formam  a “dobradinha” que vai virar o aftermarket de ponta cabeça, e esta dupla tem sim condições de criar as temidas situações “disruptivas” que um dia se imaginou a internet catalisaria em nosso acomodado segmento de reposição.

Pois é... não sei se é coisa de gringo exagerado (eles são muito marqueteiros em alguns aspectos) mas parece que o desafio neste caso é real e não há exagero nas previsões cataclísmicas plantadas por alguns palestrantes.

Noves fora eventuais exageros dos americanos fiquei impressionado com o que vi e procuro contar um pouco disso tudo para vocês  nas páginas 30, 31 e 32 desta edição.

O assunto é extenso, pois enquanto estava confinado no processo de envio de dados da “Centralina” (ECU) do motor de forma contínua e remota, o mecânico que existe em mim (formado na escola técnica em 1966) entendia tudo e até arriscava dar dicas a quem perguntasse.  Porém,  quando migra para o conceito mais amplo da conectividade, que reúne plataformas múltiplas como smartphones, tablets, aplicativos (os mais inacreditáveis) bom aí a coisa vai para a esfera de caras como Bill Gates, Jeff Bezos, Larry Page e outros..

Neste enredo de filme  de “ficção científica” o gaúcho aqui tira seu time de campo e entrega  a sorte do aftermarket para o Santo Elói, que era o padroeiro da “Festa do Mecânico”, que acontecia no parque  da Uva em Jundiaí, nos idos dos anos 90.

Quem lembra da saudosa festa promovida pelo igualmente saudoso Dr. Geraldo Luiz Santo Mauro, presidente do SINDIREPA São Paulo? Vai dizer que não era divertido? Bons tempos do mercado de reposição...

Assim, meus caros leitores, pelo que presenciei em Chicago posso antever que se nosso aftermarket seguir as tendências do mercado dos EUA (e condições básicas aqui há para isso), apertem os cintos e preparem-se para grandes emoções e que Santo Elói nos proteja!

Boa leitura!

Cassio Hervé -  Diretor 

 Ilustração: Ronald Teixeira Martins

Comentários