Notícias
Vídeos

Desvendando os conceitos do sistema da carroceria e as alimentações do comutador de ignição. Aula 11


A partir desta aula vamos conhecer a parte elétrica da carroceria do veículo, sempre começando do mais simples para nos dar base para entendermos os mais complexos

Por: Marcio Ferreira - 25 de setembro de 2023

Vamos começar com esse esquema elétrico dos faróis e lanternas, começando de cima vemos que a linha +15 pós-chave de ignição se conecta ao borne +15 do interruptor da luz, a linha +30 (direto da bateria) se conecta ao borne +30 do interruptor, o borne 56 se conecta ao comutador de faróis alto e baixo, o borne 56k passa pelo fusível F23 de 10 amperes e fornece a alimentação para as lanternas dianteiras e traseiras do lado direito e também toda as iluminações do painel, rádio etc, como também a iluminação da placa de licença, no mesmo borne 56k tem uma derivação que vai para o fusível F08 de 10 amperes e alimenta as lanternas dianteiras e traseiras do lado esquerdo, o borne 31 vai ligado ao aterramento, neste sistema o borne +15 e o 31 são somente para acender a iluminação do próprio interruptor quando se liga a chave de ignição.

Na sequencia o interruptor comutador recebe uma alimentação +30 (direto da bateria) para fazer o flash de farol alto, o borne 56 está ligado ao borne 56 do interruptor da luz explicado anteriormente e recebe alimentação quando o interruptor da luz estiver na posição de farol, o borne 56A alimenta os faróis altos através dos fusíveis F25 e F10 de 10 amperes, quando estiver selecionado para farol baixo o borne 56B alimenta os faróis baixos através dos fusíveis F27 e F12 de 10 amperes.

A luz de freio é comandada pelo seu interruptor que tem três bornes começando de baixo para cima, ele recebe um aterramento, recebe alimentação pelo fusível F21 de 10 amperes da linha +15 pós-chave  e quando acionado alimenta as lâmpadas de freio direita e esquerda, o brake light  e também a UCE do Abs e da transmissão automática se o carro for equipado com as mesmas. 

A sinalização de emergência (pisca-alerta) recebe alimentação +15 no borne 15 através do fusível F21 de 15 amperes, no borne 30 alimentação direta da bateria +30 pelo fusível F01 de 20 amperes, o borne 49 A vai ligado ao rele de seta, ao painel de instrumento e a chave de seta, o borne v3 vai ligado à central de alarme, o borne 49 vai ligado ao rele de seta, o borne 31 vai ao aterramento, o borne L alimenta as setas do lado esquerdo e o borne R alimenta as setas do lado direito.

O esquema da chave de seta é bem parecido com o do pisca-alerta a única característica e que na seta são acionadas as lâmpadas dianteira e traseira de cada lado e no pisca-alerta são acionadas as quatro lâmpadas ao mesmo tempo. 

No mesmo modelo de veículo, porém já um pouco mais atual, foi acrescentada a BCM sigla em inglês que significa módulo de carroceria, se analisarmos os mesmos esquemas que inicialmente eram independentes vamos ver que agora passam pela BCM, começando a explanação de cima para baixo os bornes 04,05,02,12,06,10,09 do interruptor das luzes estão ligados diretamente na BCM, é por essa ligação que é solicitado à BCM qual ação deve ser tomada, o borne 11 está ligado no fusível F03 de 7.5 amperes que tem alimentação direta da bateria +30, o borne 03 é alimentado pela saída 87 do rele de ignição através do fusível F24, o borne 01 está ligado ao aterramento e o os bornes 08 e 07 estão ligados aos motores de regulagem dos faróis quando o veículo tiver este equipamento.

No sistema sem BCM a ligação da iluminação externa era ligada diretamente ao interruptor, já aqui a BCM tem vários reles que vão alimentar cada sistema como veremos a seguir:

O relé do farol baixo através do seu terminal 87 alimenta dois fusíveis o F43 e o F44, já os dois de 10 amperes, um alimenta  o farol baixo do lado direito e o outro o farol baixo do lado esquerdo 

O relé de indicação do lado direito alimenta através de seu terminal 87 as setas dianteiras e traseiras do lado direito 

O relé das luzes de lanterna e placa, através do seu terminal 87, alimenta dois fusíveis o F38 e o F39, os dois de 05 amperes, um alimenta as lanternas dianteira e traseira do lado direito e o outro as lanternas dianteira e traseira do lado esquerdo e a luz de placa

O relé do farol alto, através do seu terminal 87, alimenta dois fusíveis o F36 e o F37, os dois de 10 amperes, um alimenta o farol alto do lado direito e o outro o farol alto do lado esquerdo

O relé de indicação do lado esquerdo alimenta através de seu terminal 87 as setas dianteiras e traseiras do lado esquerdo

O relé de ignição, através do seu terminal 87 e passando pelo fusível F26 de 10 amperes, alimenta o interruptor de luz de ré e esse as duas lâmpadas de ré 

O relé da linha 15, através do seu terminal 87, alimenta o fusível F25 de 10 amperes e o terminal 01 e 03 do interruptor de luz de freio, este, quando acionado, alimenta as luzes de freio o brake light e envia uma sinal para o módulo do abs, através do seu terminal 04, o interruptor também envia um sinal para o módulo do motor pelo seu terminal 02

O interruptor das luzes de advertência solicita diretamente à BCM a ligação do pisca-alerta e esta aciona os dois reles para acionar as 4 setas 
Temos também dois reles para acionar os faróis de neblina e a lanterna de neblina 

O uso de módulos de carroceria otimiza os circuitos elétricos e proporciona maior controle dos sistemas envolvidos, cada vez mais esses módulos BCM estão mais tecnológicos, agregando além de reles e fusíveis também componentes eletrônicos e programações específicas pertinentes a cada modelo de veículo por este motivo o profissional para trabalhar tem que cada vez estar mais preparado, tanto pessoalmente através de cursos, como também as ferramentas a serem empregadas no diagnóstico, por exemplo a velha lâmpada de teste não pode ser mais usada nestes novos sistemas, por esse motivo  surgiu a caneta de polaridade 

Mas que também na sua primeiras versões tem uma corrente alta e também pode danificar circuitos eletrônicos mais sensíveis 

Vejam que hoje temos equipamentos com corrente bem baixa para testar os veículos mais atuais.