Oficina Brasil


Renault Master sem força e fumando

Saiba como foi solucionado o defeito do modelo da Renault

Compartilhe
Por Da redação


Avaliação da Matéria

Defeito: Este modelo da Renault, equipado com motor 2.5, 16 válvulas, chegou à oficina sem força, fumando e com alto consumo de combustível. Segundo o reparador, o cliente já havia relatado que o consumo estava aumentando, entretanto, o veículo não apresentava perda de potência ou fumaça saindo pelo escapamento. 

Diagnóstico: Ao iniciar o diagnóstico, o reparador logo notou que o motor não ultrapassava os 2800 RPM e ao utilizar o scanner para realizar a leitura, não encontrou nenhum código de falhas. 

Continuando, diagnosticou que a turbina estava com baixa pressão, realizou a troca, mas o problema persistiu. Decidiu então enviar os bicos e a bomba de combustível para um especialista terceiro, que ao passá-los no equipamento diagnosticou-os com baixa vazão e um retorno elevado. 

De volta na oficina, o reparador notou também que estava ocorrendo retorno de pressão pela admissão e questionou se não seria esse o motivo da baixa pressão na turbina. 

Decidiu então recorrer aos seus companheiros de profissão do Fórum, onde um mecânico interagiu bastante com o reparador e levantou algumas possibilidades de diagnósticos, sugeriu que poderia ser má pulverização do diesel, que consequentemente ocorreria uma combustão incompleta do combustível, gerando assim a fumaça no escapamento; Sugeriu também verificar a válvula EGR, mas devido ao ano e modelo do veículo, ele não possuía esse tipo de sistema; Solicitou os valores dos testes dos bicos e por fim recomendou que fosse realizado teste de compressão e de vazão dos cilindros. 

Solução: Seguindo as dicas do colega mecânico, mesmo já havendo efetuado anteriormente, refez os testes de vazão e de compressão dos cilindros, novamente confirmando que tudo se encontrava em perfeitas condições de funcionamento. Aproveitou para remover a tampa de válvulas e realizar uma limpeza nos comandos de válvula. 

Durante a limpeza dos comandos, notou que alguns tuchos de escape se encontravam descarregados, então diagnosticou que a falha era devido a esses tuchos hidráulicos estarem com mau funcionamento. O que ocorria é que em baixas rotações a pressão de óleo era suficiente para encher os tuchos e operar o motor de maneira correta, mas ao subir a rotação do motor, a força mecânica aplicada vencia a pressão do óleo que não conseguia abrir corretamente as válvulas de escape, dessa maneira a exaustão dos gases queimados não era feita de forma eficiente e consequentemente reduzia a pressão na turbina, que por sua vez injetava menos ar na câmara de combustão, enriquecendo assim a mistura ar-combustível, gerando então a fumaça que saía pelo escapamento. 

Após localizar o problema, o reparador realizou a troca dos tuchos, verificou o funcionamento do motor que se encontrava operando normalmente e liberou o veículo para o cliente.  

Comentários