Oficina Brasil


Gm Spin 1.8L 8v 2013 fervendo

Proprietário levou o veículo até a oficina alegando que eventualmente a luz de temperatura do painel acendia, e após alguns minutos apagava

Compartilhe
Por Da Redação


Avaliação da Matéria

Faça a sua avaliação

DIAGNÓSTICO

Diante da reclamação do cliente, o técnico realizou uma entrevista consultiva através de perguntas abertas e fechadas, a fim de identificar informações importantes que poderia lhe guiar no processo de diagnóstico. 

Ao finalizar a entrevista, concluiu que estava diante de uma falha intermitente, pois em seu relato o cliente disse que o problema ocorria tanto quando trafegava na rodovia, urbano, misto, que ocorria independente do tempo de funcionamento do motor. 

Desta forma, sabia que teria que realizar os testes em diversas situações de dirigibilidade, ou seja, em marcha lenta, em carga parcial e plena potência, para tentar simular o defeito sinalizado pelo proprietário.

E assim o fez, iniciou os testes com o motor em marcha lenta, porém o defeito não se manifestava, decidiu fazer o teste de rodagem com o scanner conectado ao veículo a fim de visualizar através da função monitor de dados algum valor fora do parâmetro da temperatura do motor. 

Para sua alegria foi uma boa estratégia, pois constatou que em alguns momentos a temperatura do líquido de arrefecimento chegava próximo aos 120 graus, entretanto, voltava rapidamente para a temperatura ideal de trabalho, que para este veículo fica entre 89 a 97 graus.

Diante desta descoberta, veio em sua mente a possibilidade de ter algum componente do sistema de arrefecimento estar danificado, todavia, ao ver suas anotações com as informações oriundas da entrevista com o cliente, viu que o veículo tinha passado por uma manutenção na qual a bomba de água e a tampa do reservatório tinham sido substituídas em outra oficina.

Observando, atentamente, as informações contidas nas anotações dos serviços realizados o técnico identificou que a válvula termostática não havia sido substituída recentemente. 

Sem perder tempo, informou ao proprietário a necessidade de troca dessa peça, foi prontamente atendido e aprovada a substituição; instalada a nova peça, colocou o veículo em funcionamento, fez um teste de rodagem e para sua satisfação o veículo não apresentou mais a avaria, informou a boa notícia ao cliente que foi muito feliz, realizou o pagamento, recebeu o veículo em perfeito estado de funcionamento. 

Entretanto, 8 dias depois de realizado o serviço, o cliente entra em contato  com o reparador, informando que o veículo estava com o mesmo problema, e o pior, que o mesmo se manifestava agora numa frequência bem maior, ou seja, estava pior do que quando entrou na oficina para realizar o serviço de manutenção.

O técnico diante do fato, tentou simular de todas as formas o aparecimento da falha, porém, sem sucesso, conferiu e constatou que todas as mangueiras estavam aquecendo por igual, confirmou que não  havia  nenhum vazamento que estivesse causando a falha e, por fim, observou que o eletroventilador  estava funcionando perfeitamente. 

Sem saber mais o que fazer, decidiu pedir ajuda aos colegas reparadores do fórum Oficina Brasil. A primeira sugestão feita pelos colegas foi a verificação dos valores emitidos pelo sensor de temperatura, bem como a confirmação do bom funcionamento do radiador e conferência da compressão dos cilindros.

A próxima dica chamou a atenção para a possibilidade de obstrução no escapamento tanto no catalisador como no abafador, assim como o estado do sistema de ignição e alimentação de combustível. Vários reparadores reforçaram que um problema no radiador poderia ser o causador do aumento de temperatura.

SOLUÇÃO

Depois de ler e anotar as dicas e sugestões dos colegas, o técnico partiu para uma observação mais apurada do funcionamento do veículo, não mais procurando simular o surgimento da falha, mas sim, ver se encontrava algo estranho em seu funcionamento.

Nessa busca, atentou para um acontecimento, quase imperceptível: percebeu que em determinado momento não havia retorno de fluido para o reservatório de expansão, com essa evidência decidiu remover a bomba d’água mesmo sabendo que havia sido substituída recentemente. Ao removê-la confirmou sua suspeita, pois viu que o rotor da bomba d’água se soltou do restante da peça, causando o aumento de temperatura do motor. Assim, substituiu a peça, fez o teste de rodagem e confirmou a eficácia do diagnóstico. 

Comentários