Oficina Brasil


Teste de compressão relativa de motores de combustão interna com o auxílio da eletrônica - Parte final

A análise da pressão máxima de compressão pode ser feita tanto via software pela central eletrônica que gerencia o motor ou por alguns osciloscópios analisadores de motor

Por Diogo Vieira

Parte final

Concluindo a série de matérias que trata do teste de compressão relativa, ou seja, testes de compressão de motores de combustão interna analisando a queda de tensão nos bornes da bateria. Se o reparador não vem acompanhando as matérias, corre lá no portal Oficina Brasil na internet, acesse as edições passadas e fique por dentro deste incrível teste que ajuda muito os nossos diagnósticos. 

Mas antes de prosseguir, faremos uma pequena revisão.  Veremos no quadro a seguir a diferença entre o teste que mede o balanceamento de cilindro (método PS – Edição Julho de 2018) e o teste de compressão relativa. 

Os resultados que aparecem na tela do osciloscópio quando fazemos ambos os testes precisam de uma análise criteriosa nos valores de picos e vales da onda.    

Esta análise pode parecer simples para o reparador, entretanto ao mostrar o teste para o cliente, este poderá ter dificuldades para interpretar o sinal.  Pensando nisso, elaboramos um procedimento que deixará este teste em uma forma fácil de entender e consequentemente ajudando o reparador a vender este serviço. Tudo que precisamos é do programa Excel, um famoso aplicativo do Sistema operacional Windows.  Vamos começar? 

 

O passo a passo a seguir será feito no osciloscópio Hantek, o mais usado pelos reparadores do fórum Oficina Brasil. 

1º Passo 

-  Capture o sinal de compressão relativa, pausando o sinal na tela.Na barra de ferramentas superior, clique no botão de CURSOR CRUZADO mostrado pela seta. 

2º Passo 

Depois de ter selecionado o cursor, vamos medir quantos Volts tem da parte superior da tela até cada parte baixa do sinal (setas pretas).

Para isso, posicione o cursor exatamente na parte mais alta possível e arraste o cursor pontilhado para cada vale do sinal.  Na barra inferior, indicada pela seta verde, os valores são mostrados.  Anote cada valor de vale num papel à parte.  

3º Passo 

De posse das informações, abra o Excel do Windows.  Na primeira linha, digite cada valor encontrado nos vales, mas atenção!!  Se por acaso os valores estiverem negativos, não coloque o sinal de menos na tabela!  

4º Passo 

Clicando em INSERIR o menu superior, selecione GRÁFICOS RECOMENDADOS (setas vermelhas).  O Excel te indicará um gráfico, entretanto você poderá escolher outros tipos em “TODOS OS GRÁFICOS” (caixa de diálogo à direita). 

5º Passo 

Depois de ter clicado em ok, você pode alterar o título do gráfico escrevendo “gráfico de compressão do Corsa” ou ainda mudar o design da tabela, deixando mais bonita, (Detalhe em vermelho). Imprima a tabela ou envie por e-mail ao seu cliente, um toque requintado na apresentação do seu serviço.  

O osciloscópio Automotivo 

Como já foi dito em muitas ocasiões, o osciloscópio automotivo tem o seu software dedicado ao trabalho do técnico na oficina.  Analisaremos abaixo o mesmo teste de compressão relativa, que tem inserido no programa do osciloscópio as barras gráficas que representam as compressões do cilindro.  Mais facilidade para o reparador! 

Em um veículo Fox 1.0 2014, fizemos a análise de compressão relativa.  Desligamos os injetores para que o veículo não entrasse em funcionamento, ligamos os cabos e realizamos o procedimento que foi pedido na tela do newtecnoscópio.  Obtivemos a imagem em que fica claro que todos os cilindros possuem uma compressão semelhante.

Esperamos que todas as informações tenham sido úteis aos colegas reparadores.  O fórum Oficina Brasil é a vanguarda quando o assunto é diagnóstico avançado com osciloscópio e transdutores.  Faça parte também desta história.  Acesse agora o Casos de Estudo e fique por dentro do que há de mais moderno no diagnóstico automotivo.  

Comentários