Oficina Brasil


Reparos no corpo de borboleta não são difíceis, mas é preciso estudar o componente

O reparo em si é simples, e requer que o profissional utilize equipamentos adequados para realização de teste. Também pode se tornar boa opção de negócios para quem quer se especializar

Compartilhe
Por Fernando Naccari e Paulo Handa


Avaliação da Matéria

Faça a sua avaliação

Foto 1Foto 2Foto 3Sabemos que o corpo de borboleta eletrônico é um componente que gera muitas dúvidas quanto ao seu reparo. Dessa forma, para auxiliar nossa grande comunidade e expor os principais defeitos que o componente apresenta, conversamos com o reparador André Kenji da Gigio’s Bosch Car Service instalada no bairro do Ipiranga em São Paulo-SP, o qual possui mais de 10 anos de profissão e lida com este tipo de reparo quase que diariamente. (Foto 1)

Segundo André, os primeiros sintomas que apontam que o corpo de borboletas necessita reparo são os ruídos anormais ao ligar o motor, causados geralmente por quebra de engrenagens (Foto 2): “Neste modelo que estou mostrando é comum isso acontecer. Esse corpo de borboleta equipa a GM Montana e quando esta falha ocorre somente é indicada a troca do conjunto completo”.

Outra orientação dada pelo reparador André é observar a altura do local (Foto 3) onde é colocado o parafuso de fixação, pois existem dois modelos, um de base alta e outro de base baixa. O grande problema é que eles são intercambiáveis, mas para tal, deve-se trocar os parafusos por outros menores ou maiores, dependendo do caso, mas não é o recomendado: “Além da troca dos parafusos, há ainda a questão da troca de calor do componente com o motor, onde entre eles há diferenças, mas não é este o principal problema, mas sim o preço. O de base baixa custa em média R$ 380,00, já o de base alta custa mais de R$ 780,00 e só é encontrado em concessionárias, portanto, antes de passar um orçamento, aconselho observar bem o tipo de corpo de borboletas que irá ser utilizado”.

DESMONTAGEM
Como este inconveniente faz parte do dia a dia da reparação automotiva, algumas empresas têm se especializado em remanufaturar este componente com eficiência. Neste mercado, conversamos com o reparador e proprietário da JVB de São Paulo-SP, Juan Vasques Berbel, que nos dará algumas dicas de como fazer a manutenção passo a passo deste componente. (Foto 4)

1) Inicialmente, remova a tampa (Foto 5) para desmontar a placa onde vai o sistema eletrônico do corpo, na pista 1 e pista 2;

Foto 4 e 5

2) Com a placa desmontada, têm-se acesso ao eixo responsável pela movimentação da borboleta de aceleração e aos contatos da pista 1 e 2 (Foto 6). Neste momento, tenha cuidado para não  contaminar a pista e danificar os contatos, pois são muito delicados; (Foto 6A)

Foto 6 e 6A

3) Em seguida, remova o selo do eixo da borboleta de aceleração, para que posteriormente possa rebatê-lo na remoção; (Fotos 7 e 7A)

Foto 7 e 7A

4) Após remover os parafusos de fixação da borboleta, remova-a e, em seguida, bata o pino com um punção fazendo o eixo deslocar até este sair; (Fotos 8 e 8A)

Foto 8 e 8A

5) Com o eixo fora, o próximo passo é retirar as travas do motor. Este passo é trabalhoso e requer atenção para que não se danifique o mesmo, pois o material utilizado na fixação é bem resistente e tem que ser cortado com uma mídia especial;

6) Retire a capa do motor/atuador do corpo de borboleta; (Fotos 9 e 9A)

Foto 9 e 9A

7) Em seguida, depois de todos os componentes desmontados, a carcaça deve passar por um tratamento químico para limpeza (Foto 10). Após esta etapa (Foto 10A), inspecione o desgaste e as folgas presentes. Se necessário, corrija-as;

Foto 10 e 10A
MONTAGEM
O processo de montagem compreende outras etapas necessárias para a remanufatura do conjunto. É o que veremos em sequência.

8) Neste momento, confira as condições do induzido do motor (Foto 11). Em seguida, teste o motor e certifique-se que a corrente não ultrapasse 1,6Ah durante este. Se ele consumir mais do que 1,6Ah, é necessário verificarmos qual é a causa e solucionarmos;

Foto 11

9) Agora, inspecione a borboleta para certificar-se de não haver imperfeições em sua extensão;

10) Substitua os contatos das pistas 1 e 2, pois a maioria dos defeitos são decorrentes deste componente (Fotos 12 e 12A). Neste, existe uma calibração que tem que ser feita com muito critério, pois se os valores não estiverem corretos da pista 1 e 2, o corpo não funcionará corretamente. No momento do teste a soma dos dois potenciômetros tem que ser  de aproximadamente 5V. (Tabela)

Foto 12 e 12A

11) Substitua também as engrenagens de contato que costumam quebrar, sendo a de maior número de dentes a que mais apresenta este defeito; (Foto 13)

Foto 13
MOLA NORMAL OU FRACA?
A chamada ‘Mola normal’ é utilizada na maioria dos corpos de borboleta, onde a pressão da mola é razoavelmente forte (Fotos 14, 14A e 14B).

Foto 14 e 14A

Já a chamada ‘Mola fraca’ é utilizada apenas em corpos de borboleta onde a pressão da mola é bem pequena. Normalmente esses corpos são da marca VDO, que possuem esse modelo específico de motor para acionar a abertura e o fechamento da borboleta. (Foto 15)

Foto 15
SINCRONISMO DAS PISTAS
Os testes efetuados abaixo foram realizados por equipamento específico para tal, cedidos gentilmente pela Kitest.

12) Nesta tela (Foto 16), o equipamento mostra os valores obtidos das medições das pistas em qualquer posicionamento da borboleta, onde a soma destas deve obter valor próximo a 5,00 Volts.

Foto 16

• Linha 1: Indica o tipo de teste (manual ou automático) e qual pista está sendo usada como referência (Pista 1 ou Pista 2);

• Linha 2: Posicionamento da borboleta tomando como referência a pista 1;

• Linha 3: Posicionamento da borboleta tomando como referência a pista 2;

• Linha 4 esquerda (54%): o valor do PWM que pode ser alterado através das teclas mais ou menos;

• Linha 4 direita (P1+P2=5.01V): Soma instantânea dos valores das pistas.

13) Tela de nível de ruído (normal); (Foto 17)

  1. 14)         Tela de nível de ruído (falha); (Foto 18)

Foto 17 e 18
• Linha 1: Valor do PWM, que pode ser ajustado a qualquer momento, e aparece a palavra falha em caso de nível de ruído muito alto;

• Linha 2: Valor do posicionamento da borboleta, tomando como referência a pista 1;

• Linha 4: O valor a esquerda da palavra MAX: indica o maior valor do nível de ruído indicado durante o teste, e o valor a direita da palavra MAX: indica o maior valor do nível de ruído nos últimos 2 segundos. Para resetar os valores do nível de ruido, tecle direita ou esquerda.

 

Nota: O ruído é algum ponto da pista onde o valor tenda a zero ou a Vcc (alguma falha no potenciômetro, por exemplo). Se isso acontecer, nesse momento aparecerá na tela a palavra ‘falha’, onde você irá reparar que o nível de ruído estará alto. Durante o teste, se o nível de ruído permanecer baixo, indica que a pista não apresenta nenhum tipo de falha.

15) Posicione o valor de referência R: em 2,00 V; (Fotos 19 e 19A)

Foto 19 e 19A

Nota: Quando a borboleta estiver posicionada em 2,00V na Pista 1, repare que ela estará com mais ou menos 30 graus de abertura. 

16) Verifique os valores mínimo e máximo de abertura do corpo de borboleta. Anote estes valores para que possa conferi-los no teste automático; (Fotos 20 e 20A)

Foto 20 e 20A

17) Posicione o valor de referência R no mínimo (um valor onde o motor pare de atuar e onde o led 2 se apague).


ANALISANDO OS DADOS
Com a borboleta fechada, e o motor totalmente desligado, o valor ajustado é 0,80V e o valor medido da posição da borboleta é 0,91V. Assim, devemos anotar o valor mínimo como 0,90V. (Foto 21)

Foto 21

Agora, posicione o valor de referência R no máximo (um valor onde o motor abra a borboleta até o final do seu curso) (Foto 21A). Repare que o valor ajustado é 4,80V, mas a borboleta abriu somente até 4,70V.

IMPORTANTE: Não deixe a borboleta permanecer muito tempo no final do seu curso, pois se isso acontecer, esta se desligará por entender que está obstruída.

Assim, após todos os testes efetuados, finalize a montagem utilizando as peças novas montando-as na ordem inversa da desmontagem.

“Este é um trabalho artesanal, mas me faz muito bem e é uma satisfação muito grande quando a peça esta assim nova e funcional”, finalizou Juan.


Comentários