Oficina Brasil


Evolução do sistema de carga da bateria com monitoramento de carregamento inteligente

Vamos realizar uma descrição geral, teoria de funcionamento, pontuando os objetivos, vantagens, modos de falhas assim como detalhar o funcionamento do módulo do alternador inteligente

Por Laerte Rabelo

Na edição de novembro de 2017 exploramos o sistema de carga convencional, seu princípio de funcionamento, componentes e procedimentos de diagnóstico.

Nesta Matéria vamos apresentar a evolução deste sistema.

  1. Descrição do Sistema

É o sistema responsável pela integração entre o Módulo Alternador Inteligente (IAM) e as centrais eletrônicas relacionadas ao seu funcionamento, amplamente utilizado nos atuais projetos de veículo que visam a atender objetivos de eficiência energética e basicamente formado pelo módulo alternador inteligente (IAM), pela central de Controle de injeção (ECM) e módulo de controle da carroceria (BCM)

  1. Objetivos

O sistema visa otimizar a gestão energética do veículo, tornando menor o consumo de energia do motor e consequentemente menor o consumo de combustível e menor nível de emissões. A ideia é fazer com que o alternador não solicite ao motor uma quantidade de energia maior que o necessário, otimizando sua função de carga e mantendo o mesmo em estado de carga ótima.

Além de garantir este estado o sistema também é capaz de aproveitar energia advinda das frenagens do veículo para recarga da bateria (Regenerative Braking) e requisitar menor nível de energia do motor em casos de alta demanda de torque por parte do usuário (Passive Boost).

  1. Vantagens

· Permite utilizar apenas a energia necessária do motor;

· Otimiza a dirigibilidade principalmente em situações que exigem maior torque do motor;

 · Preserva sistemas como o Start&Stop controlando quantidade de carga da bateria e tensão requerida;

 · Possibilita a realização de diagnose detalhada.

  1. Lógica de Controle

O controle lógico do sistema é feito a partir de várias funções que trabalham em conjunto. Tais funções são estratégias que se baseiam nas condições que o veículo se encontra, seja em relação a situação de marcha, cargas requeridas e estados de carga da bateria.

As alterações internas do controle são feitas por meio de variáveis, capazes de modificar os parâmetros de funcionamento do módulo alternador inteligente (IAM).

A variação desses parâmetros é definida pelo módulo de controle do motor (BCM) e pela central de controle de injeção (ECM).

O funcionamento do alternador é controlado pelo regulador de tensão, que varia a excitação do estator; um valor de tensão mais alto no regulador aumenta a energia gerada no alternador, analogamente, uma tensão baixa, reduz a energia gerada e em consequência do aumento de tensão, o alternador irá demandar um torque maior do motor térmico.

  1. Funções

O sistema se utiliza de várias funções baseado tanto no estado de carga da bateria quanto nos diferentes regimes de funcionamento do motor, tendo como principais objetivos manter a bateria num estado de carga regular; promover uma maior eficiência no funcionamento do motor, viabilizando a utilização de sua plena potência nos momentos que for solicitado pelo motorista; recuperar parte da energia mecânica perdida nos momentos de frenagem e desacelerações armazenando-a na bateria.

    1. Regeneração da Bateria
      Mantém a tensão fixa em 14,2V, desabilita as demais funções do sistema e fornece recargas significativas e periódicas (sempre com mesmo intervalo de tempo) à bateria. Sua ativação é dependente do estado de carga da bateria. Figura 1 simboliza esta regeneração.

    1. Carga Rápida
      Resguarda a bateria em casos que a carga atinge nível crítico, possui parâmetros calibráveis e é considerada função prioritária, o que quer dizer que sua ação inibe todas as outras do sistema. Sua ativação ocorre quando a bateria estiver com carga inferior a 65% e mantém as demais funções do sistema desabilitadas enquanto houver carga menor que 75%. A figura 2 exibe o carregamento rápido de uma bateria similar ao que ocorre nessa função.

Potência Passiva ou Desacoplamento Elétrico do Alternador

Utilizando a ideia do desacoplamento elétrico, diminui ou até restringe a requisição de potência do motor pelo alternador e é habilitada em determinadas condições de marcha, dependendo diretamente da aceleração exigida pelo usuário.

Quando ativa, o motor passa a ter maior potência útil, o que faz com que o desempenho seja melhorado e que o consumo e as emissões sejam diminuídos, tornando a bateria responsável, parcial ou completa, por fornecer energia a todo o sistema elétrico do carro; caso a bateria atinja o limite mínimo de 12V a função é desabilitada.

Esta função tem, portanto, uma cadeia de condições tanto de habilitação quanto de desabilitação, mostradas abaixo:

 · Habilitação: carga da bateria acima de 75%, nível de corrente requerida 50A, nível de solicitação de torque pelo motorista baixo e rotação elevada do motor.

· Desabilitação: tensão da bateria abaixo de 12V, nível de corrente requerida >50A, nível de solicitação de torque pelo motorista baixo e rotação elevada do motor.

O torque que o alternador impõe ao motor térmico é reduzido nos momentos de aceleração (solicitação de torque), através da diminuição de tensão feita pelo regulador de tensão, como visto na figura 3:

    1. Frenagem Regenerativa

          É acionada sempre que o veículo estiver em movimento sem estar sendo acelerado pelo motorista, ou seja, nas situações de frenagem ou descidas, e faz com que parte da energia mecânica perdida seja recuperada e armazenada na bateria.

O armazenamento dessa energia é dado pelo aumento de tensão no regulador, que faz com que o alternador consiga fornecer maior potência à bateria; tal função é danosa à bateria, por causar uma recarga abrupta, muito rápida, portanto é acionada de forma cíclica e um limitador da tensão de saída do alternador é aplicado, preservando a bateria.

          Após a ativação da função, o carregamento da bateria é dado da seguinte forma:

· Entre os primeiros 10s a 20s, dependendo da aplicação, a central de controle da carroceria (BCM) define o limite máximo de tensão gerada pelo alternador;

 · Em seguida, a tensão máxima é fixada em 14,2V; e se mantém neste limite por 120 segundos quando é desativada;

· Enquanto estiverem presentes as condições que ativam a frenagem regenerativa, um novo ciclo é iniciado. O aumento na tensão do regulador faz com que parte da energia seja recuperada nos momentos de desaceleração e frenagem, como mostrador na figura 4:

    1. Estado de Carga Constante

      Responsável por regular a potência gerada pelo alternador a fim de obter o melhor compromisso de custo energético, ou seja, garantir que seja gerada apenas a potência necessária para aquele instante.

É acionado nos intervalos de tempo em que o veículo não sofre aceleração ou frenagem, ou seja, quando este está em velocidade constante.

É a principal função do sistema e está presente em todas as trocas das demais funções e, além disso, nos casos em que nenhuma das funções anteriores está acionada, é regra que o sistema esteja em estado de carga constante sempre que a embreagem estiver acionada ou o câmbio estiver desengrenado.

  1. Considerações

             O sistema é completamente configurado a fim de que os   componentes dependentes de energia (ar-condicionado, lâmpadas internas, faróis, entre outros) sofram a menor alteração possível de funcionamento; tal configuração garante uma menor percepção do cliente à variação de tensão do alternador (existente para a redução do consumo). Os carros dotados de sistema de ar-condicionado manual podem apresentar variação perceptível no fluxo de ar, sendo considerado como situação normal.

  1. Códigos de falhas (DTCs) relacionados

​​​​​​​

    A figura 5 exibe os códigos de falhas relacionados aos respectivos módulos de controle.

  1. Módulo do Alternador Inteligente

          A utilização de reguladores inteligentes se torna necessária devido à crescente demanda de eficiência energética nos veículos atuais, e com o avanço da eletrônica e o aumento do uso de energia elétrica nos veículos, os alternadores que antes eram meros geradores de energia passam a ser capazes de otimizar o desempenho dos veículos. 

A ideia do módulo alternador inteligente consiste em não só realizar compensação térmica e inserção de cargas por tensão, mas também se comunicar com a central de controle de injeção (ECM), que por sua vez é capaz de alterar o funcionamento do alternador através de alterações que obedecem uma dada calibração para a situação requerida.

Existe uma redundância que faz com que, em casos de perda dessa comunicação com a central de controle de injeção (ECM), o alternador inteligente funcione de forma semelhante a um alternador comum (acione acima de 2000 rpm).

Os limites superiores e inferiores de tensão são estabelecidos pelo módulo de controle da carroceria (BCM), que são medidos de acordo com a carga inserida e as condições da bateria. A central de controle de injeção (ECM) também define limites de tensão. Os limites tomados como referência pelo IAM são os menores e maiores obtidos pelas duas centrais (BCM e ECM).

Características

Nos veículos equipados o sistema de gerenciamento inteligente possui um regulador de tensão inteligente, nesse caso o regulador (IAM) é responsável pela comunicação entre o alternador e a Central Eletrônica de Injeção (ECM) pela rede LIN.

Em suma, o regulador é um componente escravo da rede que recebe comandos da central de controle de injeção (ECM), faz os cálculos necessários e os executa.  A atuação do regulador de tensão inteligente é ampla e dinâmica, visto que os cálculos para regular a tensão são complexos em relação aos reguladores de tensão antigos. Tal complexidade é demandada pela grande variação de tensão que ocorre durante o funcionamento do veículo.

A figura 6 mostra um diagrama em bloco de funcionamento do sistema do módulo do alternador inteligente.

Trânsito de Mensagens

A troca de mensagens entre o regulador de tensão e a central de controle de injeção (ECM) acontece em ambos os sentidos, sendo definidas no projeto do sistema como:

 → Central de controle de injeção (ECM) → Regulador de tensão:

  • Valor de tensão regulada;

  • Curva de carga e velocidade para anulá-la;

  • Limite de excitação máxima;

  • Curva de desligamento por temperatura.

→ Regulador de tensão → Central de controle de injeção (ECM):  

  • Indicador de falhas (Sobretemperatura, mecânica, elétrica, comunicação, tempo limite excedido)

  • Duty Cycle;

  • Nível da corrente de excitação.

A figura 7 apresenta de forma esquemática a comunicação existente entre o regulador de tensão e a Central de controle de Injeção (ECM)

Detalhamento do módulo do alternador inteligente

    A figura 8 mostra um alternador inteligente destacando o posicionamento do regulador interno, assim como o sinal de comunicação entre o regulador e o módulo de controle da carroceria (BCM) através da rede LIN

​​​​​​​

Comentários