Oficina Brasil


Estamos na era em que o diagnóstico toma mais tempo, equipamentos sofisticados e sabedoria

O conhecimento do reparador é colocado à prova em carros como um Fiesta 1.0 2014 com luz da injeção acesa acusando código de falha P0343 que aparentemente seria apenas mais um serviço na oficina

Compartilhe
Por Diogo Vieira


Avaliação da Matéria

O diagnóstico do veículo começa na conversa do reparador com o cliente. Nesta conversa, detalhes importantes como: 

• Quando começou a ocorrer este defeito? 

• Foi após uma manutenção em alguma oficina?  Se sim, qual serviço foi realizado? 

• Qual e quando a última revisão feita no veículo? 

• O veículo possui algum sistema de bloqueio de combustível ou rastreador? 

• Abastece geralmente com qual tipo de combustível? 

• Qual o último combustível usado no abastecimento? 

• O defeito se manifesta em que momento do dia? 

• O defeito acontece mais com o veículo quente ou frio? 

• Qual a média de consumo de Km/Litro? 

• Já tentou resolver este defeito em outra oficina e não teve êxito? 

A entrevista consultiva revela detalhes importantes para podermos montar o nosso mapa mental e resolver o problema.  Entretanto, no caso do Fiesta isto não foi possível.  O veículo pertencia a uma grande empresa que não gerenciava a manutenção de sua frota e o motorista não tinha informações a nos passar.  A falta destas informações dificulta e pode deixar o serviço um pouco mais demorado, mas não o torna impossível de diagnosticar.  Municiados de um scanner, osciloscópio e diagrama elétrico, hora de ir ao combate! 

O ponto de partida foi a falha mostrada no scanner:  P0343 – Circuito do sensor de posição do Came – entrada alta. 

Quando o equipamento de diagnóstico se comunica com a UCE (unidade de comando eletrônico) do veículo e pede informações referentes à falha, a UCE fornece apenas o código de falha.  A descrição do código de falha (neste caso:  Circuito do sensor de posição do Came – entrada alta) é inserida pelo fabricante do equipamento de diagnóstico.  Isto posto, fica outra dica:  consulte o código de falha em uma plataforma online.  Talvez a descrição na tela do seu equipamento não seja muito clara ou pode conter erros.  No caso do Fiesta, checamos o DTC (DIAGNOSTIC TROUBLE CODES) na plataforma Diag app da Ciclo Engenharia.

Como as descrições do scanner e aplicativo apontaram para o sensor de Fase (sensor de cames), o reparador resolveu capturar o sinal deste sensor com o seu osciloscópio.    

Vemos nesta imagem o sinal do sensor de rotação ou CKP (do inglês crankshaft position sensor) no canal amarelo e em verde, o sinal do sensor de fase.  Por que o reparador capturou o sinal de fase juntamente com o de rotação?  Justamente para ver o sincronismo do motor.  Alguns sistemas de injeção eletrônica apontam erro no sensor de fase e na realidade o erro é no sincronismo no motor. Entenda a lógica da UCE:  a central tem em seus mapas internos a posição ideal do sensor de fase em relação ao sensor CKP. No veículo que está com o sincronismo errado, a posição do sinal enviado pelo sensor “não bate” com o sinal gravado internamente na UCE. Com esta implausibilidade, a UCE faz acender a luz espia de injeção eletrônica e grava a falha na memória. 

  Voltando para a figura 3, vamos fazer uma análise do sinal: 

• O sinal CKP mostra que temos uma roda fônica de 60-2 dentes.  Para chegar a esta conclusão, o reparador deve contar os dentes (parte alta do sinal) que somam 58 com a falha no sinal de dois dentes.  Na marcha lenta, os dentes da roda fônica apresentam amplitude de quase 6 volts. 

• No sinal do sensor de fase, vemos apenas a marcação de um dente, destacado no círculo vermelho.  Repare que temos uma tensão constante de quase 5 Volts (cinco volts) no canal verde e após 11 dentes do sinal CKP, a tensão cai a 0 volts (zero volts) mostrando o dente no eixo comando de válvulas. 

No canal verde temos um sinal de fase e no scanner acusa falha neste sensor.  O que estaria acontecendo?  Senhores, vejam a importância do osciloscópio nos nossos diagnósticos. Outra ferramenta, no teste deste sensor, certamente nos conduziria ao erro. Um multímetro por exemplo, medindo a frequência em Hertz do sinal, certamente marcaria algum valor.  Medir a tensão média neste fio, lógico que marcaria algum valor em volts ou então o uso de uma caneta de polaridade... certamente o LED verde piscaria.  Então você leitor poderia pensar: “Olha, está pulsando, então não tem defeito.  Deve ser defeito no módulo!”  Então, viram como é fácil um diagnóstico errado sem as ferramentas certas?   

O diagnóstico avançado com osciloscópio parte do princípio de que a imagem capturada deve ser comparada com uma imagem de um componente em boas condições de funcionamento.  Funciona com a onda de ignição, em que comparamos o nosso sinal da “cadeirinha” com um sinal PADRÃO daquele veículo. De modo igual acontece com os sinais de fase e rotação:  capturamos um sincronismo destes sensores e guardamos em nosso banco de dados.  Se não temos a imagem de referência em nossos arquivos, então consultamos nossos colegas ou pesquisamos no Fórum.  São muitos veículos, centenas de sistemas e milhares de sinais a serem capturados, é impossível um profissional conseguir todos estes sinais.  Daí a importância do compartilhamento de imagens.   

No Fórum oficina Brasil existe uma imagem de sincronismo de referência postada pelo reparador Joelson Santos, de um Ford Ka 2009 com o mesmo motor ROCAM do veículo testado (figura 4 ou leia com seu Smartphone o QRCode A). Notem que este sensor de fase da foto de referência mostra 3 dentes no comando! Opa, algo de errado por aí...

O reparador desmontou a tampa de válvulas e encontrou o erro:  comando de válvulas com aplicação errada. Este comando com apenas um ressalto, marcado em vermelho, é usado em motores ROCAM mais antigos que usam um sensor de fase indutivo, que tem apenas 2 fios no conector.  

No Fiesta testado na Montese Autocenter, o sensor é de efeito Hall e tem 3 fios como mostra a figura 6. Para este sensor de fase de 3 fios, o comando correto é o mostrado na figura 7, em que vemos 3 ressaltos de tamanhos diferentes. 

Ainda no Fórum Oficina Brasil, na seção Casos de Estudo, outro reparador deu uma contribuição importantíssima para o fechamento do diagnóstico:  o reparador Osair Xavier, da Auto mecânica Xavier, mostra a diferença do sinal do sensor de fase indutivo do sinal de fase com sensor de efeito Hall. Confira no QRCode B com seu smartphone. 

Após a instalação do comando de válvulas correto, o reparador com seu scanner conseguiu apagar o código de falha tranquilamente.  E aí, o amigo reparador ainda tem dúvidas que o osciloscópio é essencial no diagnóstico eletromecânico?  Venha para o mundo do diagnóstico avançado.  Os carros mudaram e as ferramentas também.  Falta apenas você! Acesse nosso fórum e fique por dentro do que há de mais moderno em diagnóstico automotivo.  Até a próxima.  

 

Comentários