Oficina Brasil


ZF se prepara para um grande ano em 2018

A empresa cumpriu as suas metas de 2017, o que confirma um significativo progresso da companhia no mercado

Por Da Redação

A ZF Friedrichshafen AG realizou mais uma vez em 2017 excelentes progressos em termos de quitação de sua carga da dívida, e cumpriu as suas metas de vendas e ganhos estipuladas para o ano passado. Durante uma conferência de imprensa no Salão de Detroit, nos Estados Unidos, realizada em janeiro, o CEO da ZF Friedrichshafen AG, Dr. Konstantin Sauer, anunciou que a agência de classificação de crédito Moodys's avaliou recentemente que a ZF está dentro da “Categoria de Investimento”, confirmando o significativo progresso da companhia. “Nosso desempenho econômico, a nova classificação da agência e os nossos produtos, em particular, mostram que nós entregamos o que prometemos”, disse o Dr. Sauer.

“A classificação atualizada destaca as nossas sólidas políticas financeiras, além de ser uma conquista histórica que garante uma independência financeira firmemente ancorada na ‘ZF 2025”, a nossa estratégia de longo prazo”, acrescentou Sauer, que também é o CFO (Chief Financial Officer) do Grupo ZF. “Estamos realizando um excelente progresso na redução da dívida originada pela aquisição da TRW em 2015. De fato, o progresso está sendo mais rápido do que o esperado”, comentou o executivo.

Assim como em 2016, a ZF também realizou em 2017 grandes progressos na redução de sua carga de dívidas. “As obrigações financeiras menores permitem que a nossa taxa de patrimônio suba. Ao mesmo tempo, menos dívidas também permitem um maior crescimento, por exemplo, por meio de aquisições e expansão de nossa liderança tecnológica”, explicou o Dr. Konstantin Sauer. “Mais uma vez, podemos considerar novas aquisições caso elas complementem o nosso portfólio tecnológico”, acrescentou Sauer.

Em dezembro de 2017, a ZF também reduziu a sua dívida resultante da aquisição da TRW ao recomprar títulos – antes do final do período normal de maturidade – em um valor aproximado de US$ 1,3 bilhão. Portanto, a carteira de títulos remanescente da ZF é constituída por aproximadamente US$ 2,2 bilhões, e por cerca de € 2,2 bilhões.

“Em 2017, fizemos um bom progresso com a integração da TRW e, no final do ano, conseguimos nos apresentar como uma Empresa Única, tanto interna como externamente”, afirmou Sauer. Economicamente, a ZF também está satisfeita com os resultados de 2017, uma vez que a empresa cumpriu todas as metas definidas para o ano e, em alguns casos, chegou a superá-las.

No Salão de Detroit de 2018, a ZF exibe o seu portfólio tecnológico com foco nos temas de eletrificação e condução autônoma. A empresa está apresentando tecnologias voltadas para a Inteligência Artificial e um conjunto completo de sensores de ambiente que permitem que os veículos conduzam e estacionem de forma autônoma. O protótipo ZF ProAI, um supercomputador central que foi apresentado no CES (Consumer Electronics Show) do ano passado, aplica Inteligência Artificial e funções autônomas em carros, caminhões, ônibus, máquinas agrícolas e de construção, e também em aplicações industriais e navais.

A ZF planeja fornecer informações mais precisas sobre a redução da dívida, os ganhos do grupo e outros números e dados financeiros em sua conferência de imprensa anual que será realizada em Friedrichshafen, na Alemanha, no dia 22 de março.

Comentários