Oficina Brasil

Publicidade

Sat09202014

Última atualização11:15:40 PM GMT

Sensor de pressão absoluta no coletor de admissão - MAP 07/2000

Avaliação do Usuário: / 50
PiorMelhor 
  • Anterior
  • 1 of 14
  • Próximo

O Sensor MAP (Manifold Absolute Pressure) tem a função de informar à UCE a variação de pressão existente dentro do coletor de admissão, em função do regime de rotação e carga do motor. Ou seja, a pressão em que o ar aspirado está sendo admitido pelo motor em cada regime de trabalho.

Em marcha-lenta, com a borboleta de aceleração praticamente toda fechada, há alta depressão no coletor, e com esta totalmente aberta há baixa depressão. Essas informações são coletadas pela UCE para realizar, dentre outros cálculos pertinentes ao funcionamento do sistema, a análise da quantidade de combustível a ser injetado no motor.


O sinal emitido pelo sensor MAP também tem a função de medir a pressão atmosférica local e, com essa informação, invariavelmente verificar qual a altitude do em que o veículo se encontra. Sabemos que dependendo da altitude, há mais moléculas de ar em um mesmo volume, e essa quantidade de ar em um mesmo volume é uma informação muito importante para a alimentação e correta queima do combustível admitido. Assim, essa informação será lida pelo MAP a cada nova partida.


O sensor MAP pode ser do tipo analógico ou digital, porém, a alimentação pela UCE de ambos é em torno de 5 volts VDC.

O sensor analógico envia um sinal de corrente continua, onde a intensidade varia de acordo com a pressão no coletor.

Já o sensor digital envia um sinal pulsado de corrente continua, com ondas quadradas onde a freqüência varia de acordo com a pressão no coletor.


Antigamente estes sensores eram fixados na tomada de pressão do coletor de admissão por uma mangueira de borracha. Nos veículo atuais em geral, a partir dos modelos GM Vectra 1997, Fiat Fire, VW Mi, por exemplo, estes são fixados com parafusos diretamente no coletor de admissão.

Para podermos realizar todos os testes, devemos nos certificar de que:

a bateria esteja em boas condições;

não haja alguma entrada de ar falsa na admissão ou possível obstrução;

o sensor esteja alimentado pela UCE durante todos os testes;


Para medirmos os sinais, devemos obedecer:

o aterramento do circuito e alimentação deste;

verifique se há envio do sinal do sensor para a UCE;

quando for analógico, medir a tensão em contínua VDC;

quando digital, medir a freqüência em Hertz – Hz;

O sinal emitido deve estar de acordo com a variação de pressão no coletor e pressão atmosférica local;

Pode ser medido o sinal apenas com a chave de ignição ligada sem dar a partida.


Procedimentos de teste do sensor.

Primeira Dica: Teste do sensor analógico (sensor sistema Multec Delphi – S10/Blazer 2.2 EFi)


1º Teste (teste da voltagem de entrada)

1) Ligue a ignição sem dar partida;

2) Selecione o multímetro em volts (VDC);

3) Medir a voltagem no fio cinza do sensor MAP

4) Este valor medido deverá estar próximo a 5 volts VDC (geralmente entre 4,6 e 5,2 VDC)


2º Teste (teste de aterramento do sensor):

1) Conecte a caneta analisadora de polaridade no fio preto do sensor;

2) A polaridade medida deve ser negativa.

3º Teste (teste da voltagem do retorno)

1) Meça a voltagem (VDC) no fio verde;

2) Desconecte o sensor do coletor (caso haja mangueira de conexão desconecte-a) e conecte-a a uma bomba de vácuo;

3) A voltagem medida de retorno deve variar de acordo com a depressão aplicada na bomba de vácuo.

*** Quanto maior for a altitude local, menor será o sinal enviado pelo MAP à UCE.

Devemos nos atentar também que muitas outras falhas no veículo poderão provocar variações na emissão dos sinais. São eles, por exemplo:

Entradas de ar falsas;

Erro no sincronismo da correia dentada ou válvulas presas;

Catalisador entupido e etc.


O sensor também está sujeito a falhas mecânicas, por exemplo:

Mangueira de admissão furada ou entupida;

Mangueira de fixação do sensor furada (quando existente);


Segunda Dica:

Teste para um sensor MAP digital (sensor sistema Injeção EEC IV – Autolatina que equipa os veículos: Gol 1.0/1.6/1.8 (95-96), Gol GTI 2.0 (95-97), Logus 1.6/1.8 (94-96), Logus 2.0 (93-96), Parati 1.6/1.8/2.0 (95-96), Pointer 1.8/2.0 (94-96), Quantum 1.8/2.0 (94-96), Santana 1.8/2.0 (94-96), Saveiro 1.6/1.8 (96-97), Escort 1.6/1.8/2.0 (94-96), Pampa 1.8 (97 ->), Royale 1.8/2.0 (94-96), Verona 1.8/2.0 (94-96) e Versailles 1.8/2.0 (94-96 )


1º Teste (teste da voltagem de entrada)

Ligue a ignição sem dar partida;

Selecione o multímetro na escala VDC;

Meça a voltagem no fio preto e vermelho, ou marrom e preto do sensor;

A voltagem medida deverá estar entre 4,6 e 5,20 VDC.


2º Teste (teste de aterramento do sensor)

Conecte a caneta analisadora de polaridade no fio marrom do sensor;

Deve se detectar polaridade negativa.

Há Polaridade Negativa?

, substituir a

3º Teste (teste da voltagem do retorno)

Altere o multímetro para a escala Hertz (Hz);

Conecte o multímetro no fio marrom e amarelo do sensor;

Desconecte o sensor do coletor (desligue a mangueira se houver) e conecte-o em uma bomba de vácuo;

A freqüência medida deverá variar de acordo com a pressão aplicada na bomba de vácuo.


Terceira Dica:


Quando houver códigos de falha emitidos referentes à falha do sensor MAP, o problema tanto poderá ser de origem elétrica do sensor, quanto a falhas mecânicas no sistema de admissão de ar, como mangueiras cortadas, obstrução, entradas de ar falsas, falhas de ignição e etc. Quando isso houver, ocorre os chamados “falsos códigos de falha. Assim, certifique-se realmente da falha do MAP antes de substituí-lo sem necessidade.